Ciclismo de pista

Pós-graduação lato sensu em Jornalismo (Faculdade Cásper Líbero, 2014)
Graduação em Educação Física (Complexo Educacional FMU, 2007)

A base do Ciclismo de Pista é pura explosão e adrenalina, isso porque as bicicletas não possuem freios e para para-las os atletas diminuem a velocidade através dos pedais. Com apenas uma marcha e a obrigatoriedade do uso do capacete aerodinâmicos, compõem-se os fatores necessários para evitarem acidentes entre os atletas e garantirem grandes acelerações.

Nasceu juntamente com a modalidade de estrada, no ano de 1870, com competições nos chamados Velódromos, local com pista de madeira em um ginásio fechado, era lá que aconteciam as primeiras disputas oficiais na Inglaterra. Já no Brasil, o velódromo foi inaugurado em 1895, nas proximidades da rua da Consolação, capital paulista. A primeira competição oficial brasileira contou com 30 atletas.

Essa vertente do ciclismo apenas não esteve presente nos Jogos Olímpicos em Estocolmo, no ano de 1912. Uma vez que sua estreia foi na primeira edição da Era Moderna, em Atenas 1896. E as mulheres somente tiveram sua oportunidade na cidade de Seul, em 1988.

Com dez tipos de disputas diferentes, a modalidade possui tamanhos variados de pista conforme o número de atletas:

  • 200 metros – 20 ciclistas;
  • 250 metros – 24 ciclistas;
  • 333 metros – 36 ciclistas.

Tipos de provas do Ciclismo de Pista

Velocidade / Sprint: Denomina-se como a prova mais veloz. Dois ciclistas por vez partem de uma forma mais lenta analisando um ao outro. Das três voltas realizadas somente a última é cronometrada, vencendo quem chegar em primeiro;

Velocidade por equipe / Team Sprint: Posicionada em pontos opostos, as duas equipes são compostas de três atletas na categoria masculina e dois na feminina. O número de voltas é correspondente ao de ciclistas que pedalam em fila, onde a cada volta abre-se o caminho para o colega de equipe. Vence a que concluir com o menor tempo.

Perseguição por equipes / Team Pursuit: Com duas equipes de quatro competidores cada, largam em lados distintos da pista buscando alcançar o grupo adversário ou finalizar com o menor tempo de prova. Durante a disputa de 4 km, os ciclistas alternam quem fica na frente, posição no qual tem maior resistência ao vento, favorecendo quem aproveita o vácuo.

Keirin: No princípio da prova os atletas recebem um auxílio motorizado que controla a velocidade, iniciando em 30km/h atingindo 50km/h para os homens e de 25km/h a 45km/h nas mulheres. Após a saída da moto, a velocidade pode chegar a 70km/h, vencendo quem chegar em primeiro;

Omnium: Composta de seis tipos de disputas diferentes com dois dias de duração.

  • Flyin Lap: Vence quem cumprir a prova em menor tempo, com três voltas sendo apenas a última cronometrada.
  • Scratch: Com 16km para os homens e 10km para as mulheres é uma corrida normal, ganha quem chegar primeiro.
  • Perseguição Individual: Dois ciclistas partem de posições distintas, sai vitorioso quem alcançar o adversário ou concluir o menor tempo, com percurso inferior de 4km no masculino e 3km no feminino.
  • Contra-relógio: O atleta corre sozinho e quem fizer com o menor tempo vence, no percurso de 1km para os homens e 500m para as mulheres;
  • Eliminação: Através de corridas de velocidade, elimina-se o último que passar a linha após duas voltas. Vence o atleta que permanecer até o término da prova.
  • Corrida de Pontos: São somados pontos a cada 10 voltas, que variam de 5 a 1, composta de distâncias de 30km no masculino contra 20km no feminino. Ganha 20 pontos a mais o competidor que der uma volta no pelotão.

Referências Bibliográficas:

http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/olimpiadas/modalidades/ciclismo-de-pista

http://vadebike.org/2016/08/ciclismo-de-pista-velodromo-olimpiadas-rio-2016/

Silva Vieira; Armando Freitas. O que é ciclismo. Rio de Janeiro: Casa da Palavra; COB, 2007.

Arquivado em: Esportes