Estrutura dos Jogos Olímpicos de Pequim

Por Fernando Rebouças
A cidade de Pequim, escolhida pelo COI em 2001, para sediar as olimpíadas 2008, desenvolveu e construiu instalações para os jogos que custaram mais de 34 bilhões de dólares. Desde 2000, a economia chinesa cresceu três vezes mais, e é considerada o maior exemplo de economia emergente do planeta, sendo a terceira economia estabilizada empatando com a Alemanha, atrás dos EUA e Japão, respectivamente.

Desde os anos 80, 250 milhões de chineses saíram do estado de miséria, e o país já colocou três astronautas no espaço. No dia 8 de agosto de 2008, o mundo dos esportes fez de Pequim a sua capital olímpica.

Dentre as grandes atrações entre os aparelhos olímpicos, podemos destacar o estádio olímpico conhecido como “Ninho do Pássaro”, projetado para ser a peça central do jogos, oficialmente o Estádio Nacional custou 500 milhões de dólares e é símbolo de orgulho entre os chineses. A sua estrutura de aço entrelaçada é coberta por uma membrana que protege as arquibancadas da chuva, com capacidade para 91 mil lugares.

A natação ganhou como espaço o estádio “cubo d’água”, construído com bolhas de teflon infladas dentro de uma armação de aço. Apesar das grandiosas instalações, a cidade esconde problemas ambientais e conflitos políticos em nível nacional, o evento revela uma China moderna e capaz; e ao mesmo tempo tradicional e com problemas sociais, um país que se abre mesmo mantendo o hábito de um país fechado em regimes imperiais e comunistas.