Tocha olímpica

Pós-graduação lato sensu em Jornalismo (Faculdade Cásper Líbero, 2014)
Graduação em Educação Física (Complexo Educacional FMU, 2007)

Ao assistir o revezamento da Tocha Olímpica, não se imagina o real significado de sua tradição. Carregada por convidados e atletas de diferentes modalidades esportivas, a tocha percorre um longo trajeto até chegar ao seu destino, país escolhido como sede dos jogos.

Para falar da chama, precisamos voltar alguns milênios. Por volta do século VIII a.C, os gregos acreditavam que o fogo era algo divino, mantinham acesa uma chama em reverência a mulher de Zeus, Hera. Com isso, em 1928, nos jogos de Amsterdã, resgatou-se para Era Moderna esse costume e o transformou em uma homenagem a Grécia da Antiguidade, uma pira permaneceu acesa durante todo o evento.

O primeiro revezamento da tocha Olímpica aconteceu no ano de 1936, em Berlim, com 3 mil participantes. Entretanto, sua valorização sucedeu apenas em 1948, na edição dos jogos de Londres. Acesa em Atenas, a tocha passou de mão em mão até acender o fogo em tributo a mitologia grega.

A ideia do revezamento surgiu em referência ao mensageiro que percorria todas as cidades-estados da Grécia Antiga, para anunciar o início dos jogos e estabelecer uma trégua, durante a competição, dos conflitos existentes. Qualquer batalha em curso era paralisada com um mês de antecedência aos jogos até seu término. Motivo pelo qual a chama Olímpica representa a paz entre os povos.

Sem quebrar as tradições gregas, mulheres vestidas com roupas e acessórios similares a sacerdotisas, comandam o espetáculo, com o auxílio dos raios solares e um espelho em formato côncavo, conhecido antigamente como skaphia, a chama é acesa diante do templo de Hera. Realizado aproximadamente 90 dias de antecedência das competições, este ritual deu início em 1952, em Helsinque, e perpetua do mesmo modo, nos Jogos Olímpicos de Verão como nos de Inverno.

Voltando agora para o século XXI, onde espectadores do mundo inteiro acompanham este acontecimento milenar, a tocha é acesa em Olímpia, transportada por diferentes cidades até chegar em Atenas. Em seguida, parte para seu país sede, percorre os principais pontos turísticos e concretiza o início das Olimpíadas após acender a grande pira, na cerimônia de abertura.

Uma grande responsabilidade aos 12 mil condutores da edição do Rio 2016. Cada participante leva a tocha Olímpica por 200 metros, sem que a chama se apague e acorda a torcida para o início dos jogos. São mais de 12 mil quilômetros dentro de 300 cidades pelo Brasil.

Referências bibliográficas:
https://www.rio2016.com/noticias/tocha-olimpica-da-grecia-antiga-ao-rio-2016
http://www1.folha.uol.com.br/fol/olimpiadas/tocha.htm
https://www.rio2016.com/tocha-sobre#

Arquivado em: Esportes