Teste de Duncan

Por Marcos Duarte
Este teste é baseado na mesma argumentação do teste SNK, porém como no teste SNK a comparação das médias mais afastadas cria uma oportunidade maior para o aparecimento do erro tipo I (atribuir diferenças entre as médias que não existem). O teste de Duncan procura as DMS impostas pelas comparações de médias mais afastadas, sendo, portanto um teste menos rigoroso que o SNK.

O valor do DMS para o teste de Duncan é obtido pela seguinte expressão:

Sendo que: i = p + 2, sendo p o número de médias existente entre as duas médias comparadas na relação decrescente. Após a ordenação das médias, qualquer diferença entre pares maior do que respectiva diferença mínima significativa (DMS(Duncan)) resultará em um valor significativo no nível de significância α.

Ex. QMres. = 77,68, GLres. = 15 e α = 0,05.

Média dos tratamentos

Tratamento Médias (*)
B 41a
A 38a,b
E 33a,b
C 25b
D 24b

* Médias seguidas de mesma letra não diferem estatisticamente pelo teste de Duncan no nível de 5% de significância.

Ao compararmos estes resultados com os obtidos no teste t de Student (menos rigoroso) detectou-se um maior número de diferenças significativas entre as médias, enquanto que o teste SNK detectou-se um menor número de diferenças significativas entre as médias.