Hemograma: série branca ou Leucograma

Por Fabiana Santos Gonçalves
É a parte do hemograma que analisa quantitativamente e qualitativamente os leucócitos.

Assim como no eritrograma, o sexo e a idade do paciente interferem nos valores do exame. A etnia também interfere. Negros, por exemplo, possuem menos leucócitos que em brancos.

Horário da coleta, jejum, exercícios físicos recentes, fumo, obesidade e medicamentos alteram os valores do leucograma.

Os valores de referência devem estar contidos no exame para facilitar a interpretação.

A avaliação absoluta (valor absoluto) é mais importante que o valor relativo (%) sob o ponto de vista clínico. Mas em alguns casos o valor relativo é útil para o diagnóstico de desvio à esquerda (células jovens como mieloblasto, promielócito, metamielócito e mielócito).

Células da série branca em seqüência de maturação

Mieloblasto: é a célula mais imatura. Mede cerca de 15 a 18μm, possui dois ou mais nucléolos, núcleo com cromatina frouxa. Citoplasma escasso, basofílico, podendo apresentar grânulos e bastonetes de Auer. Podem indicar no hemograma leucemia mielóide, síndrome mielodisplásica ou reação leucemóide.

Promielócitos: maior que o mieloblasto, citoplasma basófilo com muitos grânulos primários, zona de Golgi evidente, núcleo com cromatina frouxa e nucléolo visível.

Mielócitos: citoplasma acidófilo, poucos grânulos, ausência do nucléolo, cromatina mais condensada.

Metamielócitos: poucos grânulos primários, núcleo achatado, cromatina condensada, grânulos secundários.

Bastonetes: citoplasma acidófilo, núcleo alongado e curvo. Aumento na sua quantidade indica infecção.

Segmentados: citoplasma acidófilo, núcleo segmentado, cromatina condensada, núcleo com dois a cinco lóbulos. Aumento na quantidade de neutrófilos indica infecção.

Outras células

Neutrófilos: são células fagocitárias, móveis, com função de destruir microorganismos invasores, especialmente bactérias. Participam da resposta imune inata.

Eosinófilos: são células maiores que os neutrófilos, com núcleo bilobulado ou trilobulado, citoplasma com grânulos que se coram de vermelho-alaranjado. Participam da fagocitose e respondem a estímulos quimiotáticos. São encontrados normalmente em casos de infecção por helmintos. Seus grânulos liberam enzimas contra bactérias e helmintos.

Basófilos: são células com tamanho parecido com o neutrófilo, com núcleo arredondado e coberto por grânulos que se coram de preto-púrpura. Estão relacionados com doenças alérgicas associadas à IgE e na resposta imune do organismo a parasitas.

Monócitos: possuem núcleo irregular, lobulado e pleomórfico. É a maior célula normal do sangue periférico. Possuem função fagocítica, participando da resposta imune inata juntamente com os neutrófilos. Os monócitos adultos (1 a 3 dias) migram para os tecidos e se transformam em macrófagos . Os precursores dos monócitos são monoblastos e pró-monócitos.

Linfócitos: são células responsáveis pela resposta imune. Em um hemograma podem ser observados linfócitos típicos (normais) e linfócitos atípicos. Os linfócitos típicos possuem 6 a 8 m, com núcleo arredondado, cromatina compactada, citoplasma claro e agranular, geralmente escasso. Os linfócitos ativados que estão participando da resposta imune. A condensação do núcleo é variável, podendo aparecer o nucléolo, citoplasma abundante e irregular, podendo conter alguns grânulos azurófilos.

Alteração quantitativas dos neutrófilos

Neutrofilia: aumento do número de neutrófilos circulantes. Pode ser causada por infecções e inflamações.

Desvio à esquerda: presença de células jovens no sangue circulante, obedecendo a ordem de maturação nas células.

Reação Leucemóide: leucocitose e desvio á esquerda acentuados, semelhante à um quadro de leucemia mielóide crônica.

Neutropenia: Redução do número absoluto de neutrófilos.

Alterações qualitativas dos neutrófilos

Citoplasma
- Granulações tóxicas
- Degranulação
- Vacuolização
- Corpos de Döhle
- Pesudópodes

Núcleo
- Hipo e hiperssegmentação
- Projeções nucleares
- Anomalia de Pelger-Hüet

Outras alterações
- Eosinofilias e eosinopenias
- Basofilia e basopenia
- Monocitose e monocitopenia
- Linfocitose e linfopenia

Fontes
Naoum, Paulo César. Hematologia Laboratorial. Academia de Ciência e Tecnologia.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.