Dispositivo da Vigilância

Por Fernando Rebouças
Em 1975, Michel Foucault publicou a obra “Vigiar e punir”, com o propósito de renovar a análise do poder. Segundo Michel Foucault, há duas formas de controle social: “disciplina-bloco” e “disciplina-mecanismo”.

A “disciplina-bloco” é feita de proibições, bloqueios e clausuras, de hierarquias, encerramentos e por ruptura de comunicação. A “disciplina-mecanismo” é composta por técnicas de vigilância múltiplas e entrecruzadas, é uma disciplina que exerce a vigilância através da interiorização do indivíduo em sua exposição constante ao olho do controle.

Segundo Foucault, o Estado, as classes, a ideologia dominante é conceituada como domínio de macrossujeitos, posteriormente substituída por uma concepção relacional de poder. Em seus estudos “o poder não pode ser, pura e simplesmente, aplicado aos que não o tem; investe-os, passa por eles e através deles; apóia-se neles, assim como eles, em sua luta contra eles (...)”. “Na verdade, o poder produz o real; ele produz domínios de objetos e rituais de verdade”.

Em seu estudo, Foucault elaborou conceitos de “governabilidade” contraposta à idéia de Estado como “universal político”. Desenvolveu sobre a idéia de um Estado que cotidianamente se adapta, ofende e retrai, comete irregularidades e coerências como pontos de “Táticas gerais de governabilidade”.