Filosofia grega clássica

Mestre em Filosofia (UFPR, 2013)
Bacharel em Filosofia (UFPR, 2010)

Também conhecido como Período Clássico, a Filosofia Grega Clássica compreende o momento da história da filosofia que se inicia com o surgimento da figura de Sócrates, o desenvolvimento de Platão e culmina nos trabalhos de Aristóteles. Na história da filosofia este período é compreendido como estando entre os pré-socráticos e pós-socráticos, embora o uso de tempo para esta denominação não seja totalmente adequado, uma vez que muitos filósofos pré-socráticos foram, na verdade, contemporâneos de Sócrates. A divisão trata mais do estilo de fazer filosofia e da relevância dos três autores que compõe o período clássico, Sócrates, Platão e Aristóteles.

Este período é marcado pelo amadurecimento da filosofia para uma forma mais estruturada e pelos desenvolvimentos em ética e politica, que estavam praticamente ausentes nos pré-socráticos. O primeiro filósofo deste período foi o próprio Sócrates, aparecendo como principal personagem nos diálogos de Platão e creditado por Aristóteles como o primeiro filósofo a proceder uma busca rigorosa por definições universais para as virtudes morais. Sócrates é notadamente um dos mais relevantes personagens de toda a história da filosofia, não apenas moldando a filosofia grega de sua época, mas contribuindo para as área da epistemologia, sendo o primeiro a procurar entender a extensão do conhecimento humano; política, em que defendia o rei filósofo como possível governante ideal, sendo normalmente interpretado como um crítico da democracia; ética, em que defendia que a melhor forma de viver é através da virtude como base da ação humana; e diversos outros temas.

De acordo com Cícero, Sócrates trouxe a filosofia para o alcance humano, introduzindo o pensar filosófico no seio das cidades, apresentando a necessidade de que todos examinem a vida, a moral, o bem e o mal. E fez isto por meio do método socrático, consistindo em perguntas e respostas que levavam o interlocutor a pensar, terminando de modo aporético (sem uma conclusão definida), mas trazendo a tona máximas e paradoxos que obrigavam o interlocutor a pensar verdadeiramente o tema, entendendo a complexidade das relações politicas e éticas.

Após Sócrates, encontramos na história do período clássico seu discípulo Platão, responsável por transmitir muitos dos ensinos e discussões de seu mestre através dos diálogos que produziu. Platão utilizava-se de longas alegorias para explicar suas posições, levando o interlocutor até a conclusão. A mais famosa destas alegorias é o Mito da Caverna.

Para além dos trabalhos em ética e politica, Platão explorou com grande enfase temas metafísicos, desenvolvendo suas teoria das ideias, segundo a qual a forma mais fundamental de realidade está nas formas ideais das coisas, que são abstratas, e não nas suas formas transitórias, que são materiais e conhecemos através dos sentidos.

Aristóteles por sua vez, tendo começado seus estudos com Isocrates, continuou seus estudos filosóficos na escola de Platão, também foi um estudioso da botânica e zoologia, sendo considerado o pai das ciências. Ao menos vinte e nove de seus trabalhos sobreviveram e são conhecidos como Corpus Aristotelicum, versando sobre temas que vão de lógica e física até ética e poesia, passando ainda por retórica, ética, metafísica e politica. Aristóteles criticou o regime sugerido por seu mestre Platão, referindo-se ainda a teoria das ideias como "palavras vazias e metáforas poéticas". Expandiu a importância da verificação empírica, algo que a teoria das ideias de Platão diminuía.

Durante o período clássico, estava ainda em voga a lógica estoica, de modo que os trabalhos de Aristóteles, embora tenham ajudado a moldar a forma da filosofia clássica grega, não era muito apreciada, sendo mais relevante nos séculos seguintes, ao ponto do filósofo Avicenna referir-se a ele apenas como "O Mestre" e Tomás de Aquino referir-se a ele como "O Filósofo".

Referências bibliográficas:

ARISTÓTELES, De Anima. Apresentação, tradução e notas de Maria Cecília Gomes Reis. São Paulo. Ed. 34, 2006.

Aristóteles. Metafísica. Porto Alegre: Globo, 1969.

Aristotle, The Complete Works of Aristotle (ed. J. Barnes), Princeton: Princeton University Press. 1995.

Bertrand Russell; Laura Alves. História do Pensamento Ocident Ediouro Publicações. 2004.

PLATÃO. A República. (trad. Enrico Corvisieri) São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Col. Os Pensadores).

Politzer, Georges (1979). Princípios Elementares de Filosofia 9 ed. Prelo.

REALE, Giovanni. Metafísica de Aristóteles – volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Loyola, 2001

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia, v.1.; tradução de Ivo Storniolo; 2.ed. São Paulo: Paulus, 2004.

SPINELLI, Miguel. Questões Fundamentais da Filosofia Grega. São Paulo. Loyola, 2006, p. 278ss.

Shields, Christopher, "Aristotle", The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2015 Edition), Edward N. Zalta (ed.)

SMITH, William. "Philola'us". Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. ed. 1870.

Arquivado em: Filosofia