Fogo em gravidade zero

O fogo na Terra é ancorado pela gravidade, mas os gases em combustão são quentes e leves, por isso o fogo tende a subir. Quanto mais o fogo sobre, mais ar é sugado para a base da chama, alimentando-a ainda mais. No espaço, onde nós temos pouca ou nenhuma gravidade, não há coisa alguma que faça o fogo ir para cima, além de ter menos combustível. Na microgravidade gerada nas naves espaciais, as moléculas de oxigênio são capazes de alimentarem o fogo quando são "empurradas" para ele de alguma forma, ou por difusão através dos gases da chama, assim como acontece quando o petróleo se espalha sobre a superfície da água.

fogo gravidade zero

O processo de difusão é mais lento do que a sucção criada por chamas na Terra. O resultado é que os gases de combustão também têm de se difundir para fora para a obtenção de mais oxigênio, de modo que o fogo se torne maior. Mas, como sua área cresce em tamanho, mais calor é perdido através da radiação, assim como o calor irradia de uma lareira ou fogueira. Se bastante calor é perdido, o material em chamas será resfriado abaixo de sua temperatura de ignição, e o fogo se apagará. Isso geralmente não acontece na Terra porque o ar é aspirado rápido o suficiente para abastecer o combustível.

Incêndios em naves espaciais geralmente são resultado de algum tipo de acidente, como superaquecimentos de instalações elétricas. Acender uma chama onde há pouca ou nenhuma gravidade seria mais fácil do que na terra, mas uma vez que começa a queimar, ela seria uma ameaça menor do que na seria Terra. Quando não há essa força gravitacional, o ar que está sendo aquecido pela chama não se expande. Sem essa pressão, o fogo simplesmente permanece onde está, espalhando-se de maneira uniforme junto ao oxigênio que ali houver para ele consumir.

Fontes:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/74/Space_Fire.jpg
http://io9.com/5779127/how-does-fire-behave-in-zero-gravity
http://www.smithsonianmag.com/science-nature/In-Space-Flames-Behave-in-Ways-Nobody-Thought-Possible-179731321.html

Arquivado em: Física