Osmose reversa

A definição de osmose pode ser dada como deslocamento de solvente entre dois meios de solução com concentrações diferentes, separados por uma membrana semipermeável. Na osmose, o solvente se desloca do meio hipotônico no sentido do meio hipertônico e chega ao final do processo quando os dois meios encontram-se em equilíbrio de concentração. Este processo acontece em diversos meios naturais, inclusive nas células do corpo humano.

A osmose reversa, como o próprio nome diz, acontece em sentido contrário ao da osmose. Nela, o solvente se desloca no sentido da solução mais concentrada para a menos concentrada, isolando-se assim, o soluto.

O processo de osmose reversa tem sido usado com o intuito de “potabilizar” a água por meio da dessalinização. A osmose reversa se dá por influência da pressão osmótica que se aplica sobre a superfície na qual se encontra a solução hipertônica, o que impede do solvente, no caso a água, ser transportado para o meio mais concentrado. Isso permite que a água chamada doce, vá sendo isolada do sal. Tal processo passou a ser usado pelos cientistas por volta da década de 60.

Atualmente, a osmose reversa é considerada uma saída para o problema previsto da escassez vindoura de água. E no presente momento, a ausência de água potável em diversas regiões do globo estimula a utilização desta técnica.

As principais aplicações da osmose reversa são as seguintes:

  • Na dessalinização de águas salobras. Tem sido usado no nordeste do Brasil como solução para a problemática da seca nessa região;
  • Na indústria, é utilizada na fabricação de alguns tipos de bebidas, como certas águas minerais;
  • Na área da saúde, recebe destaque, principalmente, nos processos de hemodiálise;
  • Na agropecuária utiliza-se a osmose reversa na dessedentação de animais, na irrigação e hidroponia. Embora neste setor, ainda haja pouca difusão da técnica.
  • Atua ainda em outras áreas distintas como geração de energia e biotecnologia.

Um pouco da história:

Na década de 50 foram iniciados os estudos sobre osmose reversa, pelos cientistas Reid e Breton, na Flórida. Loeb e Sourirajan deram continuidade aos estudos acerca deste assunto. Esses últimos desenvolveram a primeira membrana de acetato de celulose assimétrica. Em meados da década de 80 foi desenvolvida a primeira membrana de composto poliamídico, que facilitava o processo de osmose reversa por ter maior absorção de solvente e menor de soluto.

Fontes:
http://www.membranes.com/docs/trc/reverseo.pdf
http://www.unitekdobrasil.com.br/produtos-osmose-reversa.php

Arquivado em: Físico-química