Imperfeito do Indicativo (imparfait)

Por Leandro Cabral
O imperfeito (imparfait), que corresponde ao pretérito imperfeito do indicativo na língua portuguesa, exprime um tempo contínuo, de duração indefinida, sem que sejam indicados, salvo pelo contexto, um começo ou um fim de maneira precisa.

* Existem quatro valores essenciais:

1. Ele serve para descrever o “presente” de uma época anterior;

2. Ele serve para “plantar” o ambiente no qual as ações, os eventos vão se realizar (no passado composto ou no passado simples), ou a comentá-los (frequentemente com um valor causal);

3. Ele pode exprimir a repetição no passado, ou então o hábito;

4. O imperfeito de “ruptura”, ou imperfeito “pitoresco”, ou imperfeito “estilístico” serve para dramatizar um fato preciso, pontual, a colocá-lo em evidência.

Obs.: Quando este imperfeito de “ruptura” é encontrado, há sempre uma indicação temporal precisa, o que mostra bem que ele é utilizado no lugar de um passado composto ou de um passado simples.

Ex: Le roi s’adressa une dernière fois à la foule qui était là. Une minute plus tard, sa tête tombait dans le panier (O rei endereçou-se uma ultima vez à multidão que estava lá. Um minuto mais tarde sua cabeça caía no cesto).

* Valores modais:

- A hipótese possível;

Ex: S’il pleuvait demain... (se chovesse amanhã). É possível que chova.

- O irreal do presente;

Ex: Si j’était toi... (se eu fosse você). Nem agora nem nunca eu serei você.

- O imperfeito modal pode igualmente traduzir a expressão:

> do desejo. Ex: si elle m’aimait... (se ela me amasse...);

> da falta. Ex : si j’étais plus jeune... (se eu fosse mais jovem);

> da sugestão. Ex: et si on partait tout de suíte? (e se a gente partisse já?);

> da eventualidade. Ex: et si elle était là ? (e se ela estivesse lá?).

- O imperfeito da “educação”:

É a maneira de fazer um pedido de maneira indireta, atenuada. Por discrição, a pessoa que faz o pedido toma como que uma distância com sua questão. Este imperfeito é utilizado com verbos de “desejo” ou com o verbo “venir” (vir). O locutor formula as frases no imperfeito, em vez de formulá-las no presente, o que pareceria muito brutal.

- O imperfeito “dramático”:

É evocado um fato que não foi produzido, mas que deveria ter sido. Este imperfeito dramático corresponde a um condicional passado. É o “irreal do passado”.

Ex: Sans la rapidité des pompiers, la maison flambait complétement (sem a rapidez dos bombeiros, a casa “queimava” completamente).

Em português diríamos “queimaria”, “teria queimado”, porém em francês essa construção utilizando o imperfeito é totalmente possível.

* Formação:

O imperfeito é um verbo que tem uma forma muito regular. Pega-se o radical da primeira pessoa do plural do presente do indicativo e junta-se a ele as seguintes terminações: “-ais”, “-ais”, “-ait”, “-ions”, “-iez”, “-aient”.

Um só verbo é irregular: “être” (ser / estar): j’étais, tu étais, il était, nous étions, vous étiez, ils étaient (eu era/estava, tu eras/estavas, ele era/estava etc.).