Imigração nos EUA

Por Fernando Rebouças
Nos EUA há cerca de 8 milhões de imigrantes clandestinos que trabalhavam no país, metade são mexicanos. O Governo dos EUA planeja a legalização de imigrantes ilegais que se inscreveram num programa de anistia em 1986.

Desde 1986, não houve nenhum tipo de resposta aos inscritos, porém os mesmos poderão renovar a solicitação a partir de fevereiro de 2009. O projeto é conhecido como “Immigration Reform and Control Act” – IRCA. O IRCA retorna após acordos judiciais na US District Court de Washington.

Os novos requerimentos foram confirmados pela CIS – Citizenship and Immigration Services, porém há opositores a renovação das inscrições, pelo tempo já perdido e pelos milhares de imigrantes que entraram nos EUA nos últimos 20 anos, e que não seriam beneficiados pela iniciativa.

De forma genérica, o imigrante que entra nos EUA como ilegal ou legal, é visto como mão-de-obra afim de ocupar os postos de trabalho que o cidadão norte-americano não ocuparia. Porém em épocas de crises e desemprego nos EUA, os imigrantes são “culpados” de roubarem os empregos dos cidadãos nativos.

Durante o seu primeiro mandato, George Bush solicitou ao Congresso a aprovação da nova lei de imigração, na qual milhares de ilegais receberiam o status de trabalhadores temporários sob visto de três anos renováveis com fim estipulado. Para retornar ao país de origem, o governo norte-americano daria reconhecimento aos trabalhados para aposentadoria e abertura de poupança sem impostos.