Período Quaternário

Graduada em Ciências Biológicas (UNISUAM, 2010)
Graduada em Zootecnia (FAGRAM, 2006)

O Período Quaternário iniciou-se há 2,6 milhões de anos e compreende desde a época pleistocênica (de 2,6 milhões de anos até cerca de 10 mil anos atrás, referindo-se aos depósitos pós-pliocênicos) até a época holocênica (10 mil anos atrás até os dias atuais, incluindo fósseis de espécies existentes), estando dentro da Era Cenozóica. Compreende depósitos sedimentares juntamente com restos de animais e vegetais que vivem ainda hoje, espécies de mamíferos placentários (permitindo observar ancestrais de cavalos, e elefantes), sendo também a idade do Homem. As características mais marcantes deste período foram as glaciações e o aparecimento do homem, há apenas 1,8 milhões de anos.

Já foram identificadas dezesseis glaciações durante este período. Para tal, foram feitos estudos nos sedimentos do fundo dos oceanos com isótopos de oxigênio e análises palinológicas em sedimentos continentais. Possui quatro grandes períodos glaciais de frio muito intenso, intercaladas por interglaciais, onde a temperatura da Terra foi mais alta ou semelhante à temperatura atual, o que gera um ciclo mostrando as diferenças climáticas. Estas mudanças tiveram origem de causas externas (mudanças na órbita da Terra em torno do sol) e internas (mudanças nos oceanos, ar e relevo) e atividade humana. Durante as glaciações, massas de gelo cresceram do Ártico e da Antártica, para Europa, Ásia e América, o que gerou um abaixamento nos níveis do mar. Os quatro grandes períodos foram: Günz (primeiro), Mindel (segundo), Riss (terceiro) e Würm (quarto). Ocorreram também dois períodos menos conhecidos, como Donau e Biber.

No ambiente pleistocênico já era possível encontrar muitas espécies de coníferas, musgos, angiospermas, insetos, pássaros, mamíferos, entre outros. Foi neste período que viveram os grandes mamíferos, como os mamutes, bisontes, preguiças gigantes, etc. Também existiram pássaros gigantes (aves de rapina), com envergadura das asas de mais ou menos oito metros. Ainda neste período ocorreu a extinção destes grandes animais.

Hoje as mudanças climáticas são muito discutidas e fósseis do período pleistocênicos são largamente utilizados para saber como era o clima do passado e tentar estabelecer uma ligação com as mudanças hoje percebidas. Os fósseis encontrados estão bem conservados e em grande quantidade, podendo ser datados com alta precisão. São usados principalmente fósseis de diatomáceas, foraminíferos e pólens de plantas como paleoindicadores de climas e temperaturas passadas.

O Australopithecus surgiu na época Pleistoceno Inferior. No Pleistoceno Médio ocorre o aparecimento do Homo erectus, e no Pleistoceno Superior a evolução para o Homo sapiens neanderthalensis. Apenas no Holoceno passamos a ter o Homo sapiens sapiens.

É no Holoceno que está geologicamente abrangida toda a história do ser humano moderno, a ascensão e queda de diversas civilizações. O ser humano interferiu muito o ambiente, e todos os seres vivos de uma forma positiva ou negativa, influenciam também na Terra. Poucos, porém, modificaram tanto o planeta quanto a espécie humana.

Referência Bibliográfica:

http://www.ufrgs.br/gravel/12/1/Gravel_12_V1_03.pdf

http://www.scielo.br/pdf/ss/v13n4/2316-8994-ss-13-04-00811.pdf

http://www.revista.ufpe.br/rbgfe/index.php/revista/article/viewFile/120/153

https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/950779/1/Doc157MudancasQuaternario.pdf

Arquivado em: Geologia