Junções Intercelulares

Por Débora Carvalho Meldau
Dentre as diferentes especializações ligadas à membrana plasmática que contribuem para a coesão e a comunicação entre as células vizinhas, estão as junções intercelulares. Todas as estruturas que conferem essa coesão são encontradas na maioria dos tecidos; contudo, são mais abundantes em epitélios.

As células epiteliais possuem uma adesão mútua forte e, para desuni-las, são necessárias forças mecânicas relativamente grandes. Essa ligação varia de acordo com o tipo de epitélio, mas é principalmente desenvolvida nos epitélios mais propensos a intensas trações e pressões, como a pele, por exemplo.

A adesão celular também pode ser atribuída à ligação conferida aos membros de uma família de glicoproteínas transmembrana denominada caderinas. Na ausência de cálcio, estas glicoproteínas ficam sem a sua habilidade de propiciar adesividade.

Os variados tipos de junções funcionam não somente como locais de ligação, mas também como estruturas vedantes, impedindo que haja vazamento de materiais pelo espaço intercelular, além de proporcionar canais para a comunicação entre células contíguas.

Funcionalmente falando, as junções podem ser classificadas em três tipos:

  • Junções de adesão, também chamadas de junções aderentes, zônulas de adesão. Os hemidesmossomos e os desmossomos também são estruturas de adesão;
  • Junções impermeáveis, conhecidas também como zônulas de oclusão;
  • Junções de comunicação, chamadas também de junções apertadas, junções ocludentes, junções comunicantes ou junções gap.

Em grande parte dos epitélios, as junções são encontradas em uma sequencia constante do ápice para a base.

As zônulas de oclusão habitualmente são as junções mais apicais e apresentam função principal de levar a uma vedação, impedindo a movimentação de materiais entre células.

Desmossomo

Comumente, mas não necessariamente, o tipo de junção seguinte, do epitélio em direção à base, é a zônula de adesão. Esta, por sua vez, circunda toda a célula e colabora com a aderência entre células adjacentes.

Os desmossomos, também conhecidos como mácula de adesão, consistem em estruturas complexas, que possuem formato de disco, encontrados na superfície das células, sobreposta por uma estrutura idêntica localizada na superfície da célula adjacente. No lado citoplasmático da membrana de cada uma das células, e distanciado da membrana por um espaço estreito, existe uma placa circular denominada placa de ancoragem, na qual se inserem filamentos intermediários de proteínas da família caderina, resultando em uma forte adesão entre as células.

Os hemidesmossomos podem ser observados na área de contato entre alguns tipos de células epiteliais e sua lâmina basal. A estrutura destas especializações da membrana assemelha-se a meio desmossomo, fixando a célula epitelial à lâmina basal. Contudo, na placa de ancoragem dos hemidesmossomos as placas são formadas pro proteínas da família integrina.

O complexo zônula de oclusão e zônula de adesão recebe o nome de complexo unitivo e é encontrado circundando toda a parede lateral da região apical de diversas células.

As junções comunicantes são encontradas em quase todos os locais das membranas laterais das células epiteliais. Estas especializações da membrana celular podem ser observadas em quase todos os tecidos de mamíferos, exceto no músculo esquelético.

Fontes:
http://www.webbiblioteca.com/modulos/fisiopatologia/livros/FisioCelCap10_JUNCOES_CELULARES.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jun%C3%A7%C3%A3o_celular
http://pt.scribd.com/doc/36501076/Juncoes-celulares-e-adesoes-celulares