Abolicionismo

De acordo com o iDicionário Aulete, o verbete abolicionismo significa: "doutrina e movimento político que defendiam a extinção da escravatura". Além da definição dos dicionários, o termo remete a acontecimentos históricos, principalmente os que ocorreram na França durante o século XVIII.

Pode-se dizer que o conjunto de ideias e ações que tem por objetivo a extinção da escravidão é chamado de abolicionismo. As propostas contra a utilização de escravos para qualquer tipo de serviço ganharam força na época da Revolução Francesa, mas, antes disso, já tinha diversos defensores no continente europeu. No ano de 1788, na cidade de Paris, foi criada a Sociedade dos Amigos dos Negros, grupo que foi presidido por Condorcet, filósofo, matemático e cientista político francês que possuía ideias relevantes entre os intelectuais do Iluminismo.

A ideia do abolicionismo ganhou ainda mais relevância com a declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que foi proclamada em 1789, levando o pensamento contra a escravidão até as terras colonizadas pelos franceses naquela época. Com isso, começaram a surgir algumas leis que abrandaram a escravidão, chegando a extinguí-la em certas regiões. Porém, apenas em 1848 este tipo de regime de trabalho seria completamente suprimido em terras francesas.

No continente americano, o abolicionismo veio por meio de leis de emancipação que ocorreram em países como a Colômbia, a Argentina e o México. As nações localizadas na América que mantiveram a escravidão durante o século XIX foram os Estados Unidos, Brasil e Cuba. No caso dos EUA, a escravidão perdeu força primeiramente no Norte do país, pois, naquela época, era uma região que se encontrava em pleno desenvolvimento econômico e optava pela mão de obra livre. Enquanto isso, no Sul da nação a escravidão mantinha-se, ligada às grandes propriedades. Segundo alguns historiadores, a diferença ideológica entre as duas regiões, somadas aos feitos do revolucionário John Brown, são os maiores motivos da Guerra de Secessão, que opôs Norte e Sul.

Na América Latina, o último país a abolir o regime de escravidão foi o Brasil. Os motivos para esse atraso costumam ser relacionados com o imperador D. Pedro II, a divisão do território em fazendas, sesmarias e capitanias, além do poder econômico concentrado em alguns pequenos grupos. No contexto histórico do País, uma personalidade de destaque na luta contra a escravidão foi Joaquim Nabuco, um diplomata, político e historiador brasileiro que simbolizou com ênfase as ideias antiescravistas. Após a luta de diversos grupos e criação de medidas que, aos poucos, iam atenuando a servidão não remunerada, chegou-se à Lei 3.353, de 1888, que aboliu a escravidão no País.

Fontes:
AZEVEDO, Antonio Carlos do Amaral. Dicionário de nomes, termos e conceitos históricos. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
http://en.wikipedia.org/wiki/Marquis_de_Condorcet
http://aulete.uol.com.br/abolicionismo
http://noticias.terra.com.br/educacao/historia/noticias/0,,OI5093814-EI16740,00-America+o+abolicionista+John+Brown.html