Anos 1980 - a década perdida no Brasil

Por Fernando Rebouças
No Brasil e na América Latina, os anos 1980 são considerados como a década perdida, marcada pelas perdas econômicas ocorridas através de baixas no PIB, aceleração da inflação, produção industrial fraca, perda do poder de compra dos salários e nível de empregos. No Brasil ficou registrada uma perda econômica incomum em comparação aos cinquenta anos anteriores em que obtivemos boas médias de crescimento econômico.

Enquanto que nos anos 1970, o crescimento do PIB brasileiro foi de 7%, nos anos 1980, o PIB médio recuou para 2%. O Brasil teve elevação do déficit público gerada pelo aprofundamento da dívida externa. No fim dos anos 1980, o Brasil vivia sob a hiperinflação.

O país retornaria a crescer em 1984, a partir da recuperação da economia norte-americana, gerando retorno das exportações brasileiras para o mercado americano, principalmente sobre a exportação do aço que , naquele ano, teve um aumento de 40% no primeiro semestre de 1984. Em 1984, o PIB brasileiro teve crescimento de 5,7%, interrompendo as perdas iniciadas em 1981. Apesar da recuperação nos setores industrial e de minério de ferro, em 1984, o Brasil registrou inflação de 235%, em virtude da vulnerabilidade cambial de nossa moeda.

Considerando  toda a  década , o crescimento do PIB brasileiro foi de 1,7%. Nos anos 1970, durante a crise do petróleo, o combustível sofreu aumento doze vezes, tal cenário se repetiria na década seguinte, quando o aumento da gasolina gerava elevação de preços de todas as mercadorias e serviços e atingia a inflação.

Porém, no quesito político, os anos 80 representaram ganhos como a volta da democracia e das eleições diretas.  Também foi a década da elaboração e aprovação da Constituição de 1988. Segundo o ex-deputado federal, Plínio de Arruda Sampaio, considera os anos 1980 da seguinte maneira:

“Sob tais pontos de vista a década de 1980 foi negativa, não apenas por conta da queda do PIB, mas pelo acentuado desarranjo social verificado. Contrastando com isso, houve um grande desenvolvimento sociopolítico, marcado pelo surgimento do PT, ainda um grande impulsionador da luta popular, da CUT, do MST, das Comunidades Eclesiais de Base e de inúmeras entidades e partidos”

A cientista política e autora do livro “Os ganhos da década perdida”, Maria Izabel Mallmann, também reafirma os ganhos através das instituições democráticas:

“Pode-se dizer que a democracia foi um dos ganhos políticos da década economicamente perdida (...) Outro ganho foi o surgimento e consolidação de um espaço regional de coordenação de políticas, cujos desdobramentos positivos ainda fazem-se presentes. Apesar das dificuldades, a década de 1980 foi marcada por acontecimentos relevantes no que diz respeito à aproximação dos governos latinoamericanos”.

Fontes:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2005/02/308819.shtml
Revista Desafios do Desenvolvimento – IPEA- 2012 – Ano 9- n°72