Crise política na Tunísia

Por Fernando Rebouças
A Tunísia é um país situado no norte do continente africano, é banhado pelo mar Mediterrâneo. Em janeiro de 2011, o então presidente Zine Al-Abidine Bem Ali renunciou ao cargo depois de semanas de manifestações populares por todo o país.

Zine Al-Abidine Bem Ali governava o país desde 1987,  num governo fechado e pouco democrático. Os protestos que desencadearam a renúncia foram iniciados a partir de uma manifestação desesperada de um jovem, manifestação ocorrida em 17 de dezembro de 2010.

O jovem Mohamed Bouazizi ateou fogo no próprio corpo na cidade de Sidi Bouzid, situada na região central da Tunísia, o desespero do jovem foi devido à proibição policial da venda de seus vegetais na rua sem autorização.

A ocorrência gerou revolta na população contra o desemprego no país e contra um governo opressor que não permitia a informalidade entre os desempregados. A região central da Tunísia é baseada na agricultura e corresponde a uma das regiões mais pobres do país.

Os protestos se espalharam por todo o país, enquanto que o governo de Zine Al-Abidine Bem Ali acusava a oposição de explorar a situação. As manifestações contra o governo aumentaram depois de violentas ações policias que atiraram com armamentos verdadeiros contra os manifestantes.

Cerca de 60 pessoas morreram nos conflitos, além da saída do presidente, a população expressava sentimento de frustração e descontentamento com a ausência de liberdades políticas. O estado tunisiano era um estado policial e que visava um crescimento econômico gradual, num acordo social que a população, em troca, aceitava certas limitações políticas.

Antes de deixar o poder, o então presidente Zine Al-Abidine Bem Ali negou as ações violentas por parte da polícia. Durante os conflitos, universidades e escolas foram fechadas como forma de intimidar os jovens estudantes.

Antes de renunciar, Al-Abidine Bem Ali demitiu o ministro do Interior e autorizou a libertação de todos os detidos.Prometeu criar mais de 300.000 empregos, porém, os protestos permaneceram. Apesar de prometer a implementação da liberdade de imprensa, de internet e de não se lançar numa nova reeleição, Bem Ali anunciou que largaria temporariamente o cargo de presidente, no dia 14 de janeiro de 2011, fugiu para a Arábia Saudita.

Fontes:
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/01/110114_tunisia_qa_rc.shtml
http://www.portasabertas.org.br/paises/perfil.asp?ID=164
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/01/110121_tunisia_premie.shtml