Guerra de Sucessão Espanhola

Marco histórico no que se refere às disputas por sucessões monárquicas e domínios de colônias, a Guerra de Sucessão Espanhola (1702 - 1714) ocorreu quando Carlos II da Espanha, então rei e monarca da Casa de Habsburgo, que era casado com a princesa de origem francesa Maria Luísa, morreu sem deixar nenhum herdeiro para sucedê-lo no governo da Espanha. Com a morte do Príncipe das Astúrias, José Fernando da Baviera, Filipe V de Espanha, neto de Luís XIV de França, foi levado ao trono através do testamento de Carlos II, começando a dinastia da família Bourbon em território espanhol.

As outras monarquias da Europa, contrariadas por uma possível união entre as coroas de França e da Espanha, tornaram-se as principais opositoras ao Arquiduque Charles do Sacro-Império Germânico, o único que poderia unir os domínios de Espanha e França através dos Habsburgo. Temendo a criação de uma nova potência no continente, que seria prejudicial aos interesses econômicos do grupo, alguns países europeus declararam-se contra esta união. O então imperador da Áustria, Leopoldo I, que era próximo ao finado rei Carlos II, ao se julgar digno do trono espanhol, começou as hostilidades que desencadearam no começo da Guerra de Sucessão Espanhola.

Porém, a Guerra de Sucessão Espanhola terminou sem vencedores. Por um sistema de compensações, as nações participantes conseguiram chegar a um acordo. Por imposição de Luís XIV, Filipe d'Anjou foi denominado rei da Espanha. Porém, para ter aceitação dos outros países envolvidos na guerra, cedeu a ilha balear de Menorca à Grã-Bretanha. Aos Habsburgos austríacos e aos Países Baixos da Espanha, foi concedido o rochedo de Gibraltar. O ajuste ainda concedia aos ingleses a permissão para comercializar de forma ilimitada com as colônias localizadas na América através dos “navios de permissão”. Além disso, a Inglaterra adquiriu o direito de vender escravos nas colônias americanas por trinta anos através do asiento, espécie de tratado espanhol com outras nações.

O começo da decadência da Espanha no território europeu deu-se com a perda destes territórios, tornou a França praticamente absoluta na região continental da Europa e deu à Grã-Bretanha o domínio mundial das rotas comerciais. Fora isso, a atuação dos ingleses nas colônias da Espanha reduziu o poder de controle territorial espanhol sobre suas próprias terras conquistadas no continente americano, sendo este um dos fatores que impulsionou as guerras de independência coloniais ocorridas posteriormente.

Fontes:
http://www.exercito.pt/sites/AHM/Guia_de_Fundos/Documents/1-04%20Guerra%20da%20Sucess%C3%A3o%20de%20Espanha%20_1704-1712.pdf
https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_da_Sucess%C3%A3o_Espanhola
COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e geral. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.

Arquivado em: História da Europa