Imigração Polonesa no Brasil

Por Antonio Gasparetto Junior
A Imigração Polonesa no Brasil integrou o grande fluxo imigratório da segunda metade do século XIX e início do século XX no Brasil. A presença dos poloneses é extremamente marcante na região Sul do Brasil.

Na metade do século XIX, leis contra o trabalho escravo no Brasil começaram a ser promulgadas, até determinar a completa erradicação do trabalho compulsório em 1888. Com a mudança de perspectiva da mão-de-obra que se apontava no país, cafeicultores e pioneiros industriais passaram a valorizar o trabalhador livre estrangeiro. Vendo que a necessidade de mão-de-obra qualificada no Brasil se fazia presente para poder substituir os escravos, o Império apresenta medidas que estimulam a imigração. Com isso, a segunda metade do século XIX vê crescer no Brasil a presença de estrangeiros, vindos especialmente da Europa, para ocupar postos de trabalho nas lavouras e indústrias.

Os poloneses fizeram parte dos diversos grupos de imigrantes que chegaram ao Brasil, embora em quantidade muito menor do que algumas nacionalidades mais presentes, como os italianos, os portugueses e os alemães. Entre 1869 e 1920, aproximadamente 60.000 polacos estabeleceram-se em terras brasileiras, com grande destaque para a então província do Paraná.

Os poloneses emigravam de seu país de origem estimulados pela complicada situação econômica da Polônia. Na terra natal, os nativos enfrentavam graves problemas em relação à qualidade de vida que dispunham, o índice de desemprego era elevado e a Polônia não tinha indústrias para absorver sua população devidamente. Com dificuldades também para ocupar as lavouras, a alternativa que atraiu os poloneses foi a emigração. O Brasil foi escolhido por facilitar a presença de estrangeiros e pela grande investida que realizava no momento com o intuito justamente de atrair estrangeiros.

A Imigração Polonesa no Brasil guiou-se especialmente para a região Sul do país. A maior parte dos poloneses se estabeleceu nas regiões do entorno da cidade de Curitiba. No estado do Paraná, fundaram ainda as cidades de Mallet, Cruz Machado, São Mateus do Sul, Irati e União da Vitória. A cidade de Curitiba é a segunda cidade do mundo, em território fora da Polônia, com a maior quantidade de poloneses, em consequência da grande quantidade de habitantes de tal origem o estado do Paraná é o local com maior expressão cultural dos poloneses.

Entre 1870 e 1920, os poloneses se estabeleceram no Paraná como pequenos fazendeiros no estado, em seguida passaram a migrar e ocupar postos de trabalho em fazendas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Somente na década de 1920 que imigrantes poloneses, em número considerável, passaram a se estabelecer em São Paulo, onde se tornaram comerciantes ou ingressaram como operários nas indústrias.

Fontes:
http://polonesesnobrasil.com.br/
http://www.brasilcultura.com.br/perdidos/oficina-culinaria-polonesa/

DIEGUES JR, Manuel. Imigração, Urbanização, Industrialização. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, 1964.

DIEGUES JÚNIOR, Manuel. Etnias e Culturas no Brasil. Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército Editora, 1980

LANNA, Ana Lúcia Duarte. A Transformação do Trabalho. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988.