Revolução do Porto

Por Felipe Araújo
Em agosto do ano de 1820 foi iniciado um movimento de caráter militar na Cidade do Porto. Tal evento ficou conhecido como A Revolução Liberal do Porto ou, simplesmente, Revolução do Porto, que em pouco tempo espalhou-se por Portugal, chegando até a capital, Lisboa. Desde sua primeira manifestação até a popularização e chegada em Lisboa, a revolução acabou conquistando apoio da burguesia, da nobreza, do exército e do clero.

A revolução de 1820 ocorreu em território europeu, porém, muitos de seus fatores estão ligados a acontecimentos na história do Brasil colonizado do século 19, como a fuga da corte Portuguesa para o Brasil em 1808.

Tal mudança ocasionou consequências irremediáveis para Portugal e seu povo. Uma delas foi a abertura dos portos brasileiros, findando o domínio português de três séculos nas fronteiras do país. Com o fechamento, a burguesia lusitana foi profundamente afetada, que dependia do predomínio português no litoral brasileiro para manter a posição econômica e social.

A Revolução do Porto contou com a criação do Sinédrio, um grupo formado por maçons para afirmar o Exército Português no país. O capitão inglês Beresford, comandante do exército português, estava no Brasil. Isso facilitou que o Sinédrio aliciasse militares portugueses, dando início ao avanço da revolução. Então, no dia 24 de agosto de 1820 a revolução explodiu de forma efetiva. Grupos militares se dirigiram ao campo de Santo Ovídio e começaram os levantes. Foram até a Câmara Municipal e formaram uma “Junta Provisional do Governo Supremo do Reino. Essa junta tinha integrantes como Brigadeiro António da Silveira Pinto da Fonseca, então presidente, Coronel Sebastião Drago Valente de Brito Cabreira, vice-presidente, entre outros.

Já em Lisboa, a Revolução do Porto foi conquistando centros urbanos portugueses sem muita resistência. Quase um mês após o início da revolução, uma massa de oficiais, apoiada pela burguesia e pela população, conseguiu depor os Regentes e criar um governo interino. Mas a União entre os rebeldes do Porto e de Lisboa só aconteceria no dia 28 de setembro, quando foi criada a "Junta Provisional do Supremo Governo do Reino", que tinha o papel de organizar as eleições para as Cortes Constituintes de Portugal.

Após o estabelecimento da junta provisória, houve a união oficial dos grupos em 1821. Uma constituição provisória entrava em vigor enquanto a Carta Magna não havia sido elaborada. Esta nova Constituição seguia o modelo adotado na Espanha, país que também havia passado por uma revolução na época.

Neste ano, a Corte Portuguesa voltava do Brasil, deixando D. Pedro de Alcântara como regente do Brasil, que, com o aumento da pressão para ser recolonizado, proclama sua independência em 1822.

Fontes:
http://educacao.uol.com.br/historia-brasil/revolucao-do-porto.jhtm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolução_liberal_do_Porto