Tchecoslováquia

A Checoslováquia ou Tchecoslováquia (Československo ou Česko‑Slovensko em tcheco e eslovaco), oficialmente República da Tchecoslováquia até 1960; de 1960 a 1990, República Socialista da Tchecoslováquia, e de 1990 a 1992, República Federal Checa e Eslovaca foi um antigo estado europeu existente de 1918 a 1992. Com uma área de 127.902 km², sua capital era Praga, os idiomas oficias eram o tcheco e o eslovaco e a moeda oficial era a coroa (koruna). Seu território era limitado pela Alemanha Ocidental (RFA) a oeste, Alemanha Oriental (RDA) a noroeste, Polônia ao norte, União Soviética a leste, Hungria e Áustria ao sul.

Localizada no centro da Europa, a Checoslováquia foi criada em 1918, ao fim da Primeira Guerra Mundial a partir de território pertencente ao então recém-dissolvido Império Austro-Húngaro, que exercera controle sobre a região por séculos. A união dos territórios checo e eslovaco foi oficialmente proclamada em Praga, a 14 de novembro de 1918. A região da Rutênia foi acrescentada pelo Tratado de Trianon em junho de 1920 (foi incorporada, porém, à então União Soviética após a Segunda Guerra, e com a dissolução da URSS, passou a pertencer à atual Ucrânia).

De 1918 a 1946, a Tchecoslováquia foi um estado democrático semelhante à maioria dos estados de economia capitalista do ocidente. A partir de 1946, com o término da Segunda Guerra Mundial e a ocupação soviética, o país torna-se uma república socialista, de regime semelhante aos vários outros surgidos no leste europeu na mesma época, seguindo com tal configuração até o colapso do socialismo em todo o leste europeu. A partir daí, o país abandonou a orientação comunista e finalmente a 1 de janeiro de 1993 deu origem a dois novos estados, a República Checa (capital Praga) e a República Eslovaca (capital Bratislava), existentes até os dias de hoje.

O país possuía grande diversidade étnica, pois além dos dois povos principais, os tchecos e os eslovacos, importantes minorias compunham a população: alemães, húngaros, rutenos (ucranianos), judeus e poloneses. Sua existência era baseada na doutrina do nacionalismo checoeslovaco ou checoslovaquismo, que sustentavam a crença de que checos e eslovacos eram um só povo, que através dos séculos foram divididos pela dominação húngara e austríaca, e que já formariam um povo único durante a existência do estado eslavo da Grande Morávia (833 – 902). No entanto, tal idéia era contestada, principalmente da parte eslovaca, e houve mesmo durante a Segunda Guerra Mundial a criação de um estado eslovaco em separado, mesmo que ainda um estado fantoche submisso à Alemanha Nazista.

Bibliografia:
The First Czechoslovak Republic (em inglês). Disponível em: <http://web.archive.org/web/20070304093927/http://www.czech.cz/en/basic-facts/history/all-about-czech-history/the-first-czechoslovak-republic/>. Acesso em: 24 mai. 2012.

Czechoslovakia (em inglês). Disponível em: <http://www.spartacus.schoolnet.co.uk/2WWczech.htm>. Acesso em: 24 mai. 2012.

Tchecoslováquia (país antigo). Disponível em: <http://geografia.geral.sites.uol.com.br/h/e/cs.htm>. Acesso em: 24 mai. 2012.