Processador Mobile

O conceito de Processador Mobile é aplicado a todos os dispositivos móveis como iPad, smartphones, notebook e demais aparelhos com possibilidade de mobilidade. Dentre os componentes primordiais, está o processador ARM e a arquitetura da informação denominada  (The Architecture for the Digital World), o que distingue cada recurso e a respectiva aplicação das tarefas.

A tecnologia é aplicada a chips e demais aparelhos, atualmente o mercado deste segmento é liderado por grandes empresas como a NVIDIA, que desenvolveu o Tegra, a Qualcomm com o desenvolvimento do Snapdragon, a Texas Instruments com o OMAP, dentre outras que fornecem processadores mobile (Hardware) capaz de funcionar em dispositivos móveis (celulares entre outros).

O sistema atual mais utilizado é o da fabricante Intel, com o x86, que se destaca com o chip Atom Lexington. Vale ressaltar que a empresa trabalha no desenvolvimento contínuo e aprimoramento de chips com maior número de núcleos, o que significa colocar em um menor espaço, muito mais capacidade de processamento. Os processadores são desenvolvidos para serem centralizados e dedicados a pequenas funções, denominadas cores.

A velocidade média dos processadores mobiles varia de acordo com o seu fabricante e características específicas da arquitetura técnica. Cada um possui uma particularidade e especificação própria, como é o caso do sistema da NVIDIA especialmente desenvolvido para rodar no sistema Android. O sistema da Qualcomm é capaz de rodar na versão Android 2.3, depois do São Francisco II. Além da Samsung que utiliza os processadores ARM e também roda no sistema Android. Pode-se dizer que a velocidade média é de 600Mhz ao máximo de 2Ghz, sendo que o processador ARM é o padrão utilizado na maioria dos aparelhos.

Segundo estatísticas divulgadas pela International Data Corporation (IDC),  relacionada a quantidade e volume de sistemas de processador mobile vendidos, a empresa Apple se destaca com o total de 37 milhões de aparelhos vendidos, na segunda posição a Samsung com uma média de 36 milhões de unidades vendidas, seguida pela Nokia com 19 milhões e por fim a RIM e a HTC. Na porcentagem de participação de mercado mundial, é importante destacar respectivamente, a empresa Apple com 23,5%, a Samsung com 22,8%, a Nokia com 12% e a RIM e HTC que juntas somam 41,70%.

Especialistas sugerem que o futuro dos processadores mobile será baseado em projetos arrojados, como é o modelo RAZRi da Motorola, no entanto o padrão denominado flagship da ARM ainda é o mais utilizado e difundido pela alto desempenho. Mas vale destacar que a disputa entre os modelos existentes, x86 e cores da ARM sofrerão muitas mudanças, tanto no quesito formato físico quanto na capacidade de interação com os dispositivos e desempenho.

Fonte:
http://www.tecmundo.com.br/processadores/35042-processadores-mobile-qual-e-a-proxima-etapa-.htm

Arquivado em: Informática