Álvares de Azevedo

Ensino Superior em Comunicação (Universidade Metodista de São Paulo, 2010)

Manuel Antônio Álvares de Azevedo foi poeta, escritor e contista da segunda geração romântica brasileira. É conhecido como "o poeta da dúvida".

Nasceu em São Paulo no dia 12 de setembro de 1831 e aos dois anos de idade sua família mudou-se para o Rio de Janeiro. Em 1836, falece seu irmão mais novo, fato que o deixou bastante abalado.

Durante seus estudos foi um aluno brilhante, estudou no Colégio do professor Stoll e foi constantemente elogiado. Em 1845 ingressou no Colégio Pedro II.

Foto do escritor Álvares de Azevedo.

Foto do escritor Álvares de Azevedo.

Em 1848, Álvares volta para São Paulo e ingressa na prestigiada Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde passa a ter contato com vários escritores românticos.

Nessa época fundou a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano, traduziu a obra “Parisina” de Byron e o quinto ato de “Otelo” de Shakespeare, entre outros trabalhos.

Álvares de Azevedo passava o maior tempo às voltas com os livros da faculdade e dedicado a escrever suas poesias. É importante destacar que toda sua obra poética foi escrita durante os quatro anos que cursou a faculdade. O sentimento de solidão e tristeza, que podem ser observados em seus poemas, era reflexo de saudades da família que ficara no Rio de Janeiro.

Tuberculoso, em 1851 adotou a ideia de que a morte era fato consumado em sua vida e começou a escrever cartas à sua mãe, irmã e aos amigos certificando-os do seu inevitável destino.

Sua temática voltada à morte pode ser considerada um refúgio, para aliviar a realidade em que vivia e a sensação de impotência com o mundo que o cercava.

Álvares encarava a morte como solução de todas as suas crises e de suas dores. Também abordava constantemente o tédio da vida e as frustrações amorosas. A figura da mulher aparece em seus versos sempre como um ser inacessível, oscilando entre anjo e ser fatal.

Dessa forma, a maioria de suas obras se encaixa no lado dramático do Romantismo brasileiro, apesar do escritor também se mostrar irônico e com grande senso de humor em algumas poesias.

Álvares faz parte dos autores que deixaram em segundo plano os temas nacionalistas e indianistas, preferindo abordar temas existenciais e o mundo interior.

Acometido pela tuberculose e sofrendo com um tumor, precisou abandonar a faculdade. Foi operado e não resistiu. Faleceu no dia 25 de abril de 1852, sem nenhuma obra publicada em vida. O livro "Lira dos Vinte Anos" foi a única obra preparada pelo poeta. Álvares de Azevedo é Patrono da cadeira número 2 da Academia Brasileira de Letras.

Algumas obras:

Livros:

Poesias:

  • A Lagartixa
  • À T...
  • Adeus, Meus Sonhos
  • Ai, Jesus!
  • Amor
  • Anjinho
  • Anjos do Céu
  • Anjos do Mar
  • Canção da Sexta (LXI)
  • Cantiga
  • Canto Primeiro
  • Canto Segundo
  • Cismar
  • Desalento
  • Desânimo
  • Dinheiro
  • E Ela! E Ela! E Ela! E Ela!
  • Fragmentos de um Canto em Cordas de Bronze
  • Idéias Intimas
  • Lágrimas da Vida
  • Lágrimas de Sangue
  • Luar de Verão
  • Malva Maçã
  • Meu Amigo
  • Meu Desejo
  • Meu Sonho
  • Na Minha Terra
  • No Mar
  • O Lenço Dela
  • O Poeta Moribundo
  • Oh! Páginas da Vida Que eu Amava
  • Pálida Inocência
  • Perdoa-me, Visão dos Meus Amores
  • Saudades
  • Se Eu Morresse Amanhã
  • Solidão
  • Sonhando
  • Tarde de Outono
  • Trindade
  • Último Soneto
  • Um Cadáver de Poeta
  • Vagabundo
  • Vi

Arquivado em: Biografias, Escritores