Autores da Literatura de Informação

Este estilo literário se filiava ao movimento conhecido como Quinhentismo, o qual englobava todas as expressões da literatura criada no Brasil ao longo do século XVI. A Literatura de Informação nasceu em território brasileiro e se prolongou de 1500 a 1601. Ela se inspirava na estética da era medieval, mas as crônicas de viagem, como eram igualmente conhecidas as obras elaboradas nesta época, apresentavam de forma mais explícita elementos da corrente classicista. A maior parte dos seus leitores provinha da Espanha e de Portugal; eles tinham ânsia de conhecer tudo sobre as terras recém-descobertas. Os autores eram principalmente negociantes, militares e peregrinos também originários da Europa; o maior objetivo deles era conquistar fortuna. Portanto, viam os novos territórios como auspiciosos mananciais de riqueza. Mas não deixam de revelar a forte impressão deixada por estas terras nos que lá desembarcaram. Este gênero literário se propagou na prosa, nos poemas e nas peças teatrais. A ampla glorificação da natureza e da colônia como um todo gerou uma semente do nativismo que eclodiria totalmente no Romantismo, ao longo do século XIX.

Autores e Obras

  • Pero Vaz de Caminha: A Carta de Pero Vaz de Caminha.
  • Manuel da Nóbrega: Diálogo Sobre a Conversão do Gentio; Caso de Consciência sobre a Liberdade dos Índios; Informação das Coisas da Terra e Necessidade que há para Bem Proceder Nela; Tratado Contra a Antropofagia.
  • José de Anchieta: Os Feitos de Mem de Sá; Arte de Gramática da Língua mais usada na costa do Brasil; Poema à Virgem; A Cartilha dos Nativos (Gramática Tupi-Guarani); Carta da Companhia.
  • Pero de Magalhães Gândavo: História da Província Santa Cruz a que Vulgarmente Chamamos Brasil; Tratado da Província do Brasil.
  • Gabriel Soares de Sousa: Tratado Descritivo do Brasil.
  • Hans Staden: Duas Viagens ao Brasil.

Arquivado em: Literatura