Escritores do Naturalismo

Esta corrente literária se vincula ao Realismo, porém adota alguns elementos distintos, escarnecendo da existência humana, das suas afeições e comoções. Seus ingredientes tendem a assumir uma natureza doentia, pois ao revelar a realidade exatamente como ela é os integrantes desta escola acabam exaltando certo negativismo. A luta contra os ideais românticos se acentua nessa vertente e a Ciência é glorificada, até mesmo com a utilização de um vocabulário médico. Há um uso abusivo da sexualidade, com uma visão sombria sobre essa faceta humana, que traduz essa prática como algo obsceno, asqueroso e repulsivo. O Homem deixa de ser instintivo e se torna escravo da racionalidade; não age como deseja e sim como precisa. Ele é fruto do ambiente em que vive. O Naturalismo se consolidou no Brasil em 1881 com o lançamento da obra O Mulato, de Aluísio de Azevedo.

Autores e Obras do Naturalismo

Estrangeiros

  • Émile Zola. Francês: Germinal; Como se casa, Como se morre; O paraíso das damas; J'accuse a verdade em marcha; A besta humana.
  • Thomas Hardy. Britânico: A bem-amada; Judas, o obscuro.
  • Giovani Verga. Italiano: Los Malavoglia.

Brasileiros

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Naturalismo_no_Brasil
http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/escritores_naturalismo.htm

Arquivado em: Literatura