Escritores do Parnasianismo

O Parnasianismo é uma corrente literária que derivou da linha Realista-Naturalista, traduzindo as características destas escolas no campo da poesia. Ele teve início na França, mais particularmente na cidade de Paris, em 1850. Este movimento espelhou o positivismo e o culto à Ciência, vigentes naquele período histórico, em oposição ao Romantismo. Antecedeu o ideário simbolista em várias décadas; seus adeptos buscavam resgatar os princípios estéticos presentes na cultura da Grécia Antiga. Emprestou seu título do Monte Parnaso, considerado pela mitologia grega a morada de Apolo e das musas. Distingue-se das outras correntes por seu formato sagrado, pela observação rigorosa das normas de versificação, pelo refinamento artificial do ritmo e das palavras, pelo uso de rimas raras e a predileção por padrões fixos, como os sonetos. Os poetas parnasianos destacam os elementos excêntricos e os mitos. Versam sobre eventos históricos, artefatos e cenários naturais.

Autores e Obras do Parnasianismo

  • Alberto de Oliveira: Canções Românticas; Meridionais; Sonetos e Poemas; Versos e Rimas; Poesias Completas; Poesias Escolhidas; Céu, Terra e Mar; O Culto da Forma na Poesia Brasileira.
  • Olavo Bilac: Panóplias, com os célebres sonetos: A Sesta de Nero e O Incêndio de Roma; Via-Láctea, com destaque para o soneto XIII; Sarças de Fogo, que inclui o soneto Nel mezzo del camin...; Alma Inquieta; Poesias; O Caçador de Esmeraldas; Poesias Infantis; Tarde.
  • Raimundo Correia: Primeiros Sonhos; Sinfonias; Versos e Versões; Aleluias; Poesias.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Parnasianismo
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/3598527

Arquivado em: Literatura