Estruturalismo na Literatura

Nos dicionários é possível encontrar uma definição estrita do termo ‘estruturalismo’. Ele nasceu no seio das disciplinas humanas, tais como as Ciências Sociais, a Psicologia, entre outras. Elas analisam qualquer ação do Homem do ponto de vista de uma estrutura metódica através de conceitos extraídos da Matemática.

Já no campo da Linguística, destaca-se a Teoria de Ferdinand de Saussure, que desenvolveu os alicerces necessários para a criação da Semiologia, ciência que se dedica ao estudo dos signos. Ele vê a língua também como um universo organizado. O teórico investiga a linguagem seguindo dois caminhos, o da diacronia e o da sincronia.

O primeiro é dinâmico e histórico e foca nas modificações da língua ao longo do tempo. O segundo se volta para uma análise de tudo que permanece imobilizado e pode ser descrito, como fonemas, gramáticas e palavras. Aqui cabem também as analogias entre as estruturas linguísticas em voga no passado e na atualidade.

Para alguns pesquisadores e setores da crítica literária, a palavra ‘estruturalismo’ não poderia ser vinculada a uma vertente ou a um sistema da literatura, pois seus adeptos carecem de uma ligação mais consistente a um corpo doutrinário exclusivo. Eles acreditam que este termo é apenas uma ferramenta de pesquisa dos cientistas sociais. Percebe-se, portanto, a dificuldade de se estabelecer uma significação mais precisa deste termo na literatura.

Em termos gerais, porém, pode-se dizer que o estruturalismo apóia-se na disposição e na ordenação dos elementos essenciais e na investigação dos preceitos universais que orientam o desempenho dos arcabouços literários. Sua prática no campo da literatura exige um afastamento de qualquer tópico exterior a esta esfera. Ou seja, a análise literária não pode ser contagiada com temas que não configurem a obra em si.

A intervenção estruturalista desnuda a literatura; ela então é vista pelos estudiosos como um mero resultado da linguagem, um produto fabricado e passível de ser inserido em categorias classificatórias. Assim, pode ser abordado como o alvo de qualquer disciplina científica.

Para Roland Barthes, distingue-se o estruturalismo do pós-estruturalismo pelo enfoque do pesquisador. No primeiro o estudioso se concentra na obra literária e no outro o foco recai sobre os aspectos textuais. Segundo Northrop Frye, o conceito de estruturalismo se conecta à organização do texto.

O autor defende que se deve privilegiar o caráter objetivo da pesquisa, não a opinião pessoal, no que tange ao julgamento de valores, pois considera a literatura uma configuração verbal independente que atua de forma metódica. Ele também defende a não interferência de qualquer evento externo ao universo literário.

O estruturalismo foi introduzido na literatura nos anos 60, com o objetivo de se transpor para esta disciplina os conceitos e as análises de Saussure, o criador da Linguística Moderna.

Fontes:
http://teorialiterariaufrj.blogspot.com.br/2009/06/estruturalismo-definicao-e-origem.html

http://meumundoeminhamente.wordpress.com/2010/01/30/literatura-precisa-de-teoria-reflexoes-sobre-algumas-teorias-literarias/

http://secretalitterarum.blogspot.com.br/2011/03/resenha-do-livro-teoria-da-literatura.html

Arquivado em: Literatura