Literatura barroca no Brasil

Por Felipe Araújo
Na época em que o Brasil, recentemente descoberto, não apresentava uma produção cultural de significância, a literatura barroca foi introduzida pelos descobridores portugueses. Desta forma, as obras produzidas no país eram apenas um reflexo das escolas literárias de Portugal e, por isso, a produção escrita nesta época não é considerada como literatura genuína brasileira. Os livros e documentos do período são apenas uma absorção do estilo português na era do colonialismo. As características da literatura barroca no Brasil são o rebuscamento da linguagem e a ambiguidade. Além disso, figuras de linguagem como a sinestesia, o paradoxo e a antítese são amplamente utilizadas pelos autores.

O movimento literário Barroco no país é, essencialmente, uma forma de expressar o conflito entre o humanismo da renascença e a tentativa de reparo de uma religiosidade medieval, entre a razão e a fé, uma luta entre o não espiritual e o espiritual.

Com a falta de condições, no território brasileiro, para a produção de obras literárias genuinamente nacionais, durante os séculos XVII e XVIII, existiam poucas pessoas letradas que faziam reuniões nas quais apresentavam suas ideias e textos umas às outras. Geralmente, eram ensaios, artigos ou poesias. Outro problema era que as atividades culturais resumiam-se a alguns núcleos urbanos de pequena extensão. A importância da literatura barroca está na formação do que viria no século XIX, época de formação de um público leitor que fez possível a continuidade das obras.

Neste panorama, em que a vida cultural ainda não tinha se desenvolvido, alguns críticos literários indicam que não existia um movimento barroco brasileiro. Os principais escritores citados como ícones deste momento, nos quais se percebe nítidas influências dos artistas espanhóis e portugueses, produziram no Brasil obras com elementos barrocos. Entre eles, os autores mais conhecidos são o padre Antônio Vieira (sermões), Gregório de Matos (poesias), Bento Teixeira (Prosopopeia) e Manuel Botelho de Oliveira (Música do Parnaso). Destas obras, Prosopopeia é o marco do início da literatura barroca no Brasil.

Sem ter nenhum livro publicado enquanto vivo, Gregório de Matos ficou famoso pelos manuscritos encontrados, que acabaram sendo lançados em várias coletâneas. Sua obra poética foi extraída destes livretos, dos quais não se sabe se todas as poesias eram de sua autoria. No caso do Padre Antônio Vieira, a maior contribuição para o barroco produzido no Brasil foram sermões como Sermão de Santo António aos Peixes, onde trata o tema da escravidão dos índios, Sermão da Sexagésima, em que fala sobre as formas de pregar e Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda, sobre o domínio holandês na Bahia.

Fontes:
BERNARDI, Francisco. As Bases da Literatura Brasileira. Porto Alegre: AGE, 1999.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_barroca_no_Brasil
http://www.soliteratura.com.br/barroco/barroco04.php
http://educacao.uol.com.br/literatura/barroco-no-brasil-caracteristicas-do-movimento-na-literatura.jhtm