Literatura Expandida

Por Fernando Rebouças
A partir da digitalização da informação e dos livros, a literatura numa visão geral passou a ser disponibilizada em dispositivos eletrônicos que possibilitaram movimento e interatividade, ultrapassando o ambiente estático do livro impresso tradicional. Inicialmente, essa literatura disposta digitalmente esteve presente nos computadores e, a partir dos anos 2000, foi introduzida em celulares, nos tablets e leitores de livros digitais.

O livro digital ou eletrônico é um conjunto de textos e gráficos formatados em tipos de  arquivos específicos como o PDF, HTML e o e-PUB, que podem ser lidos nos equipamentos citados no parágrafo anterior. No decorrer da história recente, na comunicação e na arte, da mesma forma que o cinema não substituiu o teatro, e a TV não extinguiu com o rádio, acredita-se que o livro eletrônico não irá substituir o tradicional livro impresso.

A história demonstra que o surgimento de uma tecnologia comunicacional não extingue, mas aprofunda as características de diferenciação entre as antigas e novas tecnologia, além  da áreas do conhecimento criativo. Porém, os e-books e a leitura digital está inaugurando uma nova maneira de ler, compreender e distribuir conhecimento.

O livro eletrônico está lançando uma nova maneira de narrar histórias, alcançando até mesmo, em meio às letras, interface de animações, games, vídeo e fundo musical para cada trecho de uma história ou fato lido na tela. Esse é o sentido presente, principalmente, nos livros turbinados (enriched books).

Enquanto que no livro impresso, a mente do leitor é responsável por criar imagens e sensações por meio da imaginação interpretativa, no livro digital turbinado as imagens são oferecidas automaticamente dentro de um conceito de literatura expandida, que ainda permite que a história seja reescrita pelos seus leitores num sistema interativo que poderá ameaçar os direitos e a propriedade autoral.

Há também a referência aos vooks (vídeo + book) obras constituídas de vídeos no decorrer de sua história e descrições. Afinal isso seria literatura ou entretenimento literário?

A concepção de literatura expandida, por uma lado, poderia facilitar a absorção e interpretação sobre determinada obra, pois, para muitos jovens e estudantes ler ainda é uma tarefa chata ou mal ensinada, mas há uma preocupação em respeito à falta de exercício mental que somente a imaginação perante as letras estáticas de um livro impresso e digital comum poderia desenvolver.

Até o início do ano de 2011, enquanto que a cultura do livro digital demonstrou avanços significativos nos EUA e Japão, no Brasil permenecia o crescimento do livro impresso e ainda um inicial investimento na comercialização dos livros eletrônicos pelas principais editoras brasileiras, a promessa de barateamento de leitores e tablets como o iPad e o Kindle. O livro digital poderá ajudar a democratizar o acesso à leitura em  países emergentes e pobres, mas, referente à disposição eletrônica de seu conteúdo é necessário observar o nível de expansão das letras.

Fontes:
http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2011/05/11/enquanto-tablets-se-expandem-no-brasil-livro-digital-ainda-engatinha-924431592.asp
http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/posts/2011/06/18/artigo-por-uma-ideia-de-literatura-expandida-387143.asp
http://pt.wikipedia.org/wiki/Livro_digital