Os principais escritores do Romantismo brasileiro - Poesia

Por Tiago Soriano
O Romantismo surgiu na Europa por volta de 1774, tendo a Alemanha e a Inglaterra como pioneiras dessa nova escola literária, mas coube à França o papel de divulgar o Romantismo. Já no Brasil, o Romantismo inicia-se em 1836, com a publicação Niterói – revista brasiliense, de Gonçalves de Magalhães e também com o lançamento do livro de poesias intitulado Suspiros poéticos e saudades.

Antes de descrevermos os principais escritores do Romantismo brasileiro, apresentaremos um breve resumo do cenário histórico da época. Por volta da segunda metade do século XVIII, a Europa passava por diversas transformações sociais e políticas, devido principalmente à Revolução Francesa e à Revolução Industrial. As antigas relações políticas e sociais estavam agora tomando um novo rumo. Duas classes distintas e antagônicas surgiram: a classe dominante – representada pela burguesia em ascensão; e a classe dominada – representada pelo proletariado. No Brasil também ocorria transformações, e a principal delas é a independência proclamada por D. Pedro I, em 1882, deixando no passado a colonização portuguesa. Por este motivo, surge no Brasil o sentimento de nacionalismo, de exaltação à pátria e de lusofobia.  O Brasil tinha necessidade de se autoafirmar-se, esse era o sentimento predominante da época. Para muitos historiadores, o Romantismo brasileiro é considerado como o verdadeiro início da literatura no País.

A principal característica do Romantismo é a oposição ao estilo Clássico. Se durante o Classicismo a arte era de cunho erudito, no Romantismo passa a ser a uma arte de caráter popular, e se antes priorizava o apelo à inteligência, agora volta-se para a imaginação, assim como abandona-se a razão para atender aos sentimentos, tendo assim uma interpretação mais subjetiva, mais pessoal do que impessoal.

Na literatura não é diferente. A literatura romântica corta todos os laços com o Classicismo, abandando todos os padrões e normas clássica.  No estilo romântico, é o verso livre e o verso branco que definem a escola romântica. No que diz respeito ao conteúdo, os românticos valorizam o sentimento nacionalista e a exaltação à natureza.

O Romantismo brasileiro pode ser dividido em três gerações literárias:

  • primeira geração: geração nacionalista ou indianista – aqui valoriza-se a exaltação à natureza e à pátria, a volta ao passado histórico e a criação do herói nacional na figura do índio. Os principais poetas são: Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo Porto Alegre.
  • segunda geração: geração do mal-do-século – período marcado pela influência da poesia de Lord Byron. A fuga da realidade, o pessimismo, o tédio, o desencanto, a insatisfação e a melancolia são algumas das características dessa fase. Entre os poetas de mais destaques estão: Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e Junqueira Freire.
  • terceira geração: geração condoreira – aqui o Brasil começa a viver um novo momento. As poesias dessa fase refletem os acontecimentos sociais, discursando principalmente sobre a liberdade. Temos como principais poetas, Castro Alves e Sousândrade.

Primeira geração

Gonçalves de Magalhães

Nasceu no dia 11 de agosto de 1811, em Niterói. Foi médico, professor, diplomata, político e poeta. Morreu em 1882, na cidade de Roma, Itália. É considerado o poeta responsável pela introdução do Romantismo no Brasil, com o lançamento do livro Suspiros poéticos e saudades.

Gonçalves Dias

Antônio Gonçalves Dias nasceu em 10 de agosto de 1823, na cidade de Caxias, Maranhão. Apesar de ter falecido com apenas 41 anos, Gonçalves Dias foi poeta, jornalista, advogado e teatrólogo. Estudou Direito na Universidade de Coimbra, Portugal, e após certo tempo distante da terra natal, escreve a Canção do exílio. Suas demais principais obras são: Ainda uma vez – Adeus; Sextilhas de frei Antão; Seus olhos; Os Timbiras; I-Juca-Pirama. Morre no dia 3 de novembro de 1864.

Segunda geração

Álvares de Azevedo

Manuel Antônio Álvares de Azevedo nasceu em 12 de setembro de 1831, em São Paulo. Azevedo foi escritor, dramaturgo e poeta. Matriculou-se em Direito, mas não chegou a concluir o curso devido ao problema de tuberculose. Autor de Noite da Taverna, Azevedo tem como influência Lord Byron, mas principalmente Alfred de Musset. Suas poesias são, portanto, carregadas de sarcasmo e ironia, sofrimento e dor. Sua principal obra é Lira dos Vinte Anos. Outras duas obras suas são: Macário, e O Conde Lopo. Morreu a 25 de abril de 1852, aos 20 anos de idade.

Casimiro de Abreu

Casimiro José Marques de Abreu nasceu no Rio de Janeiro em 4 de janeiro de 1839. Partiu para Portugal com seu pai em 1853. Sua poesia tem linguagem simples e rima pobre, além de ritmo fácil, tornando-se um dos poetas mais populares da literatura brasileira. Na obra, As primaveras, de 1859, a poesia que mais se destaca é “Meus oito anos”. Casimiro morreu em 1860, devido à tuberculose.

Terceira geração

Castro Alves

Antônio Frederico de Castro Alves nasceu em 14 de março de 1847, na Bahia. Em 1868, Castro Alvez vai para São Paulo com Eugênia Câmara – atriz portuguesa, e se matrícula no terceiro ano da Faculdade de Direito. Durante a comemoração da Independência, declama pela primeira vez o poema Navio Negreiro. Um ano mais tarde teve o pé amputado em conseqüência de um acidente com uma arma de fogo e retorna para a Bahia.

Castro Alves é conhecido como o “Poeta dos Escravos”, uma vez que suas poesias mostram a sua luta contra a escravidão. Apesar de ser considerado um poeta romântico, Castro Alves tem em seus traços literários, tendências da escola realista. Faleceu devido à tuberculose, no dia 6 de julho de 1871, aos 24 anos. Além de Navio Negreiro, suas principais obras são: Espumas Flutuantes; A Cachoeira de Paulo Afonso; Os Escravos e Hinos do Equador.

Castro Alves é patrono da cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras.

Sousândrade

Joaquim de Sousa Andrade nasceu no dia 9 de julho de 1833, no Maranhão. Foi escritor e poeta. Pela Universidade de Sorbonne, em Paris, formou-se em Letras e em Engenharia. Após viajar para diversos países da Europra e América Latina, passa a residir em Nova Iorque.

A principal característica de sua obra é a originalidade, e seu primeiro livro publicado foi Harpas Selvagens, em 1857. Apesar de ter iniciado seu trabalho literário em meados da segunda geração romântica, é na terceira geração que ele mais se enquadra, pelo fato de retratar em suas poesias, suas preocupações sociais. Após sua morte, em 21 de abril de 1902, sua obra permaneceu esquecida até meados de 1960, sendo resgatada pelos poetas Augusto e Heraldo Campos.

Guesa Errante é seu poema narrativo de maior destaque.

O Romantismo brasileiro se estende até o ano de 1881, quando os romances de Aluísio Azevedo, O Mulato, e de Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas, são lançados com uma tendência naturalista e realista.

Fontes:
NICOLA, José de. Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias. 15ª Ed. São Paulo: Editora Scipione, 1998.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo_no_Brasil