Simbolismo na literatura

Mestre em Literatura Brasileira (UERJ, 2010)
Graduada em Letras e Literatura (UERJ, 2008)

O simbolismo é uma estética literária do século XIX que se opõe à objetividade parnasiana. Pode-se observar no simbolismo uma revivescência romântica.

Assim como o parnasianismo, o simbolismo tem sua origem na França e seu principal poeta foi Mallarmè. Mesmo na França, onde se originou, o simbolismo foi um movimento curto e conturbado. Um dos principais nomes desse movimento foi o poeta realista Charles Baudelaire. Alguns chegam a considerá-lo como simbolista, tal sua importância para o movimento, entretanto, quando o simbolismo se configura na França, Baudelaire já não estava vivo. Assim, podemos dizer que o poeta foi um pré-simbolista, um precursor do movimento.

Ao contrário dos parnasianos que defendiam o rigor formal do verso, os simbolistas buscavam uma poesia voltada a efeitos sonoros, com certa musicalidade. Assim, eram comuns figuras de linguagem como assonância e aliteração. Os poetas simbolistas rejeitam o rigor e a disciplina parnasiana.

Há um apelo ao metafísico, ao inconsciente, ao mundo espiritual. Para dar conta dessa nova realidade é preciso uma linguagem simbólica o suficiente que possa sugerir em vez de descrever. O poeta simbolista sente-se desconfortável no mundo, e é tomado de um profundo pessimismo que o leva a valorizar a morte, o soturno, o mistério. Esse gosto pela fúnebre levou o simbolismo a ser chamado de decadentismo. Esse desconcerto do mundo é reflexo da frustração que todo o avanço tecnológico da era realista causou: havia uma grande euforia em relação à ciência, mas os avanços não são para todos. Nesse aspecto, o simbolismo aproxima-se do romantismo: tende a fugir do mundo físico que não apraz, não satisfaz.

Características da linguagem simbolista

  • Linguagem simbólica, sugestiva
  • Subjetividade
  • Antimaterialismo e antirracionalismo
  • Religiosidade e misticismo
  • Transcendentalismo
  • Interesse pelo inconsciente e subconsciente, pela loucura e pelo onírico (relativo à sonho)
  • Uso de metáforas, sinestesias, aliterações e assonâncias.

O simbolismo em Portugal

A publicação da obra Oaristos (1890), de Eugenio de Castro é o marco do simbolismo lusitano e surge num momento de crise política e econômica em Portugal: havia um ambiente propício à mudança de pensamento. A nova concepção estética passou a ser muito debatida entre os intelectuais da época. Eça de Queirós, romancista realista, chegou a publicar um ensaio “Positivismo e idealismo” no qual observa uma reação contra o positivismo e a objetividade realista-naturalista-parnasiana. Essas inovações representaram, em Portugal, uma quebra de continuidade artísticas e foram bastante criticadas tanto pela intelectualidade quanto pelo público.

Os autores simbolistas se valiam de “temas do sonho evasivo, da intuição vidente, da mística oculta, bem como a estilística de símbolos indeterminados e sinestesias”¹ aliadas ao historicismo, ao regionalismo, a um nacionalismo sebastianista (desejam o retorno de D. Sebastião, desaparecido em batalha) e um idealismo religioso.

Dos nomes mais conhecidos do simbolismo lusitano temos Camilo Pessanha e Florbela Espanca.

A Camilo Pessanha se deve os melhor conjunto de poemas do simbolismo lusitano que exerceram profunda influência na geração de Orfeu do Modernismo. Pessanha criou uma arte muito voltada à musicalidade e com cuidado extremo de eliminar qualquer manifestação previsível de sentimentalismo.

Caminho - Camilo Pessanha

Tenho sonhos cruéis; n’alma doente
Sinto um vago receio prematuro.
Vou a medo na aresta do futuro,
Embebido em saudades do presente...

Saudades desta dor que em vão procuro
Do peito afugentar bem rudemente,
Devendo, ao desmaiar sobre o poente,
Cobrir-me o coração dum véu escuro!...

Porque a dor, esta falta d’harmonia,
Toda a luz desgrenhada que alumia
As almas doidamente, o céu d’agora,

Sem ela o coração é quase nada:
Um sol onde expirasse a madrugada,
Porque é só madrugada quando chora.

 

Interrogação - Camilo Pessanha

Não sei se isto é amor. Procuro o teu olhar,
Se alguma dor me fere, em busca de um abrigo;
E apesar disso, crê! nunca pensei num lar
Onde fosses feliz, e eu feliz contigo.

Por ti nunca chorei nenhum ideal desfeito.
E nunca te escrevi nenhuns versos românticos.
Nem depois de acordar te procurei no leito
Como a esposa sensual do Cântico dos cânticos.

Se é amar-te não sei. Não sei se te idealizo
A tua cor sadia, o teu sorriso terno...
Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso
Que me penetra bem, como este sol de Inverno.

Passo contigo a tarde e sempre sem receio
Da luz crepuscular, que enerva, que provoca.
Eu não demoro a olhar na curva do teu seio
Nem me lembrei jamais de te beijar na boca.

Eu não sei se é amor. Será talvez começo...
Eu não sei que mudança a minha alma pressente...
Amor não sei se o é, mas sei que te estremeço,
Que adoecia talvez de te saber doente.

A obra de Florbela Espanca, editada a partir de 1919, é marcada por um profundo erotismo e estimula a emancipação da literatura feminina, exprimindo as mais profundas frustrações humanas.

Sonhos - Florbela Espanca

Ter um sonho, um sonho lindo,
Noite branda de luar,
Que se sonhasse a sorrir...
Que se sonhasse a chorar...

Ter um sonho, que nos fosse
A vida, a luz, o alento,
Que a sonhar beijasse doce
A nossa boca... um lamento...

Ser pra nós o guia, o norte,
Na vida o único trilho;
E depois ver vir a morte

Despedaçar esses laços!...
...É pior que ter um filho
Que nos morresse nos braços!

Leia também:

Bibliografia:

¹ BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo, Cultrix, 2012.

CASTELLO, Jose Aderaldo. Presença da Literatura brasileira: Do Romantismo ao simbolismo. Rio de Janeiro, Difel, 1978, pp 99-23.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro, Ouro sobre azul, 2007, pp. 25-7.

RAMOS, Silva. Poesia simbolista. São Paulo, Editora Melhoramentos, 1967.