A Legião Estrangeira

O LIVRO DE CONTOS - A Legião Estrangeira

Livro de contos, publicado em setembro de 1946, reune 13 contos/cronicas que abordam temáticas familiares, semelhantes ao estilo dos contos que compõem Felicidade Clandestina. Temáticas como a solidão, a perversidade, o egoísmo, a relação entre o homem e os animais, a oposição entre o ‘eu’ e o outro, etc, levam o leitor a enxergar o interior das personagens, seus pensamentos e sentimentos, enfim, sua intimidade. Durante cada história os personagens vão descobrindo o que há de interessante, diferente e até extraordinário no seu cotidiano.

Nos treze contos de A Legião Estrangeira encontramos temas diversos, e não apenas um. Dentre os contos, encontraremos:

Viagem a Petrópolis - escrito quando a autora tinha somente 14 anos, fala de uma senhora idosa que muda o tempo todo de residência.

Mensagem - conto que trata de dois amigos que são apaixonados mas não admitem isso. O homem só percebe quando a mulher vai embora.

Alguns contos de A Legião Estrangeira foram republicados com modificações no livro Felicidade Clandestina, em 1971. Um exemplo disso é o próprio conto que dá nome ao livro, A Legião Estrangeira.

O CONTO - A Legião Estrangeira

Conto publicado nas obras Felicidade Clandestina e Legião Estrangeira de Clarice Lispector, começa com a personagem principal lembrando de Ofélia e de seus pais, que há muito tempo não via. A protagonista fala da família de uma forma rancorosa, o que podemos ver no seguinte trecho: “Estou tentando falar daquela família que sumiu há anos sem deixar traços em mim”.

O aparecimento de um pinto na sua casa, na véspera do natal, relembra-lhe a família, com a qual se preocupa. Seu marido e seus filhos se admiram com a situação, enquanto a protagonista compara este fato com um sentimento que vai se modificando, ou como a água que vai se transformando.

Discorre sobre a bondade e seus efeitos no coração das pessoas de sua família. Descreve que os sentimentos vão se transformando como a água, e pela falta de habilidade de sermos bons, os sentimentos são efêmeros, indo facilmente da bondade para a falta de bondade. “Daí a pouco olhamos enredados pela falta de habilidades de sermos bons, e o sentimento já era outro, da falta de bondade para tínhamos no rosto a responsabilidade de uma aspiração, o coração pesado de um amor que já não era mais livre. Passado o momento do pinto, os adultos já o tinham esquecido, mas os meninos não, ficara uma indignação. Não só indignação, mas também acusação de que nada fazíamos pelo Pinto e pela humanidade”

Dentre estas e outras reflexões que fazem a respeito daquele pinto, de si mesmos, do amor e da sua condição humana, a protagonista chega à conclusão final de que um dia, sem que ela mesma soubesse, sua família a amara.
Fontes:
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/a/a_legiao_estrangeira_conto_clarice
http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Legi%C3%A3o_Estrangeira
http://www.cyvjosealencar.seed.pr.gov.br/redeescola/escolas/26/700/16/arquivos/File/Livros/Clarice%20Lispector/A%20Legiao%20Estrangeira.pdf

Arquivado em: Livros