A Morte de Ivan Ilitch

Por Ana Lucia Santana
Esta obra-prima de Tolstoi, lançada em 1886, enfoca um dos temas mais polêmicos da existência humana, a morte, e também o significado da vida. Através de seu personagem mais estruturado, Ivan Ilitch, juiz russo e membro de uma corte de apelação da província, o autor retrata a condição do Homem diante dos derradeiros momentos de sua trajetória física.

O protagonista é portador de um câncer em estágio avançado. Subitamente ele se dá conta de sua efemeridade e passa a repensar antigos valores e comportamentos. Suas cômodas preocupações burguesas perdem agora qualquer sentido, pois a enfermidade modifica completamente suas perspectivas, e de repente Ivan vivencia a outra face da existência, a dor e a decomposição.

Com a proximidade da morte o juiz medita profundamente sobre cada fase de sua existência, mergulhando em si mesmo e alcançando o autoconhecimento. É a hora de ajustar contas consigo mesmo, e de perceber o quanto foi leviana sua concepção sobre o modo de vida burguês.

Prisioneiro das circunstâncias em sua própria cama, ele permite que o leitor acompanhe e vivencie suas experiências com a enfermidade destrutiva, e nos leva a sentir a profunda dor diante do desprezo e da indiferença do médico e de seus familiares. Além do escritor tecer uma densa crítica social e existencial, ainda denuncia a visão materialista da Medicina perante a morte, o descaso com o paciente, o que torna o livro mais atual que nunca.

A desumanização dos médicos revela-se um fator de aceleração da doença e de uma aproximação mais rápida da morte. Em momento algum o paciente recebe afeto e atenção da parte dos doutores, algo que lhe provoca intenso sofrimento. Guerássim, seu empregado, é o único que sente compaixão por Ivan; é ao seu lado que o protagonista vai compreender, finalmente, o sentido da confiança e da afeição. Nem mesmo com a esposa e com a filha ele pode contar.

Nestas condições, ironicamente, o protagonista encontra uma vida mais plena e verdadeira, livre do cativeiro das inquietações cotidianas, das tarefas materiais que não lhe deixavam espaço para meditar sobre a existência. É desta forma que ele se depara com a inevitabilidade da morte. Esta é certamente a obra de Tolstoi mais completa, opinião com a qual a crítica concorda explicitamente. Aliás, eles a consideram a melhor novela já criada por um escritor.

Liev Tolstoi, famoso como Léon Tolstoi, nasceu no dia 9 de setembro de 1828 em Yasnaya Polyana, na Rússia. Ele é respeitado até hoje como um dos mais significativos autores da história da literatura universal. Além de escritor, o russo tornou-se célebre também por, no fim da vida, ter se convertido em ardente ativista na busca da paz e em defensor da existência singela junto à Natureza.

Entre seus livros mais conhecidos estão os clássicos Guerra e Paz e Anna Karenina. Tolstoi faleceu aos 82 anos, em Astapovo, vítima de pneumonia, ao escapar de sua residência na procura incansável da vida natural.

Fontes:
http://medicineisart.blogspot.com/2010/09/morte-de-ivan-ilitch-de-liev-tolstoi.html
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/a/a_morte_de_ivan_ilitch
http://pt.wikipedia.org/wiki/Liev_Tolst%C3%B3i