A Trégua

Por Ana Lucia Santana
Esta narrativa produzida na forma de um diário retrata a trajetória de Martín Santomé, indivíduo às vésperas de fazer 50 anos. Sua esposa morreu há mais de vinte e o protagonista só tem agora seus três filhos. Estes, porém, não ligam a mínima para ele, talvez pela carência de motivos para admirá-lo, já que o pai, um contador frustrado e insatisfeito com seu trabalho, leva uma existência entediante e infeliz.

Apesar de ser meio apático, Santomé tem um intelecto privilegiado, é generoso e dedicou sua vida à criação dos filhos, embora atualmente haja vários conflitos entre ele e seus descendentes. Seu maior desejo é se aposentar, e ele contabiliza os dias que o separam da concretização de seus sonhos, mas é preciso admitir que o personagem não tem a mínima noção do que pretende realizar no tempo que lhe resta de vida.

Tudo se modifica quando uma garota vinte e dois anos mais nova vai trabalhar sob suas ordens. Laura Avellaneda é uma moça reservada, recatada e intelectualmente brilhante. Esta personagem desperta em Santomé um sentimento que ele não julgava mais ser capaz de alimentar.

A chama do amor se acende novamente e dá sentido a sua vida sombria, na forma de uma trégua à tristeza que mantém prisioneiro seu coração. Benedetti narra aqui uma história que vai além das tradicionais narrativas românticas. Ele se atém às emoções detalhadas que consomem Santomé, principalmente sua falta de segurança no que tange a interagir com uma mulher bem mais jovem.

O autor de "A Trégua" discorre sobre questões como a busca da felicidade, seu verdadeiro significado e a inexorável passagem do tempo. Tudo com altas doses de imaginação. Ele tece uma narrativa engraçada e em alguns momentos irônica, tentando compreender a natureza de ser feliz. Resta saber se a relação entre ambos tem a oportunidade de se desenvolver, ou se tudo tem um fim, o qual conduz à solitude. Esta é uma obra que certamente merece a atenção do leitor.

Mario Benedetti nasceu no dia 14 de setembro de 1920 em Paso de los Toros. Ele foi notável poeta, autor e ensaísta uruguaio, membro da Geração de 45, à qual se filia também o escritor Juan Carlos Onetti. Sua fama chegou em 1956, com a obra Poemas de Oficina. Em seu currículo constam mais de oitenta publicações, entre poemas, romances, contos, ensaios e roteiros cinematográficos.

Fontes:
http://books.google.com.br/books/about/TREGUA_A.html?id=bFTB-kAaUKgC&redir_esc=y
http://miltonribeiro.opsblog.org/2008/05/20/a-tregua-de-mario-benedetti/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mario_Benedetti