Além do Bem e do Mal

Por Ana Lucia Santana
Capa do livro Além do Bem e do Mal

Capa do livro Além do Bem e do Mal

A obra Além do Bem e do Mal, escrita pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche, surgiu praticamente junto com o processo de criação de "Assim Falou Zaratustra", a partir das meditações do autor ao longo desta gestação. Pode-se afirmar que este ensaio marca uma radical mudança na sua visão de mundo, que se torna mais negativa e corrosiva.

Esta intrincada trama evoluiu para um tom contundente, cerrado, mais propenso aos julgamentos e censuras de praticamente todas as concepções do século XIX, principalmente se ela for vista de um ângulo comparativo, em relação aos trabalhos que precedem sua chegada, tais como Humano, Demasiado Humano, Aurora e A Gaia Ciência, expressos em uma linguagem de fácil digestão.

Embora vários pesquisadores tentem elaborar as mais diversas teorias interpretativas sobre esta obra de Nietzsche, é difícil penetrar completamente a densa névoa que paira sobre seu texto, talvez propositalmente concebido em uma perspectiva hermética. Ela não se enquadra nas correntes filosóficas e científicas então vigentes, pois cabe a ela exatamente negar as crenças até então em vigor.

O filósofo alemão tem uma afeição particular por este livro que, ao lado de Assim Falava Zaratustra, constitui sua principal criação, englobando uma vasta gama temática. Sua etapa mais circunspecta está toda resumida nesta obra, desde a análise da sede de poder e tudo que deriva desta paixão, até sua teoria perspectivista, o julgamento moral, a visão psicológica dos aspectos religiosos, a concepção de um ser mais sublime.

Além do Bem e do Mal é dividido em nove seções. Nestas divisões o filósofo discorre sobre até que ponto a visão pré-concebida da massa sobre a obra filosófica e erudita pode exercer influência nestas atividades; sua concepção sobre a liberdade e a filosofia do futuro; a qualidade essencial do homini religiosi e sua atuação na esfera científica; a compreensão da moralidade vigente; o estudo do âmbito filosófico e científico predominante neste contexto; uma análise da situação política do continente europeu, que atravessava um período de acirradas disputas entre as nações mais poderosas.

Friedrich Nietzsche

Friedrich Nietzsche

Nietzsche também censurava o ponto de vista nacionalista e a prática do anti-semitismo, ponto polêmico de sua teoria, pois muitos atribuem ao filósofo a gestação de idéias nazistas, mas na verdade, apesar dele defender a supremacia de uma raça, esta deveria ser composta por uma mistura entre os integrantes da nobreza que povoava a Europa e membros da etnia judaica, que detinha um poder econômico cada vez maior.

Em sua obra principal o autor igualmente desmente a famosa moral da aristocracia, seus matizes e sua posição antagônica em relação ao Cristianismo, alvo de diversos textos do filósofo. Este ensaio é concluído brilhantemente com um de seus mais tocantes poemas, intitulado Das Altas Montanhas.

Em 1886, quando é lançada esta obra, Nietzsche começa a gestação do livro que pretendia ser uma sequência de Além do Bem e do Mal, Genealogia da Moral, na qual ele aborda um dos pontos mais delicados e contundentes de sua produção filosófica, a provável ‘morte’ do Deus cristão.

Bibliografia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Para_Além_do_Bem_e_do_Malhttp://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/resenha/resenha.asp?nitem=808054
http://www.webartigos.com/articles/9191/1/nietzsche-e-a-critica-a-modernidade/pagina1.html