Indomada

Por Ana Lucia Santana
Nesta sequência da série Morada da Noite (House of Night), as autoras resgatam a originalidade e o brilho de Marcada, o primeiro volume e, em alguns momentos, chegam a transcender até mesmo o início da saga. Elas mesclam, nas doses exatas, mitos e histórias cherokees, cristãos e neopagãos, construindo, com esses ingredientes fascinantes, uma trama densa, bem estruturada e de tirar o fôlego do leitor.

Zoey, no final de Escolhida, está completamente isolada, como era o desejo de Neferet, a Grande Sacerdotisa da Morada da Noite de Oklahoma. Seus amigos, sentindo-se traídos, a rejeitam e Aphrodite, sua única companheira nos últimos tempos, voltou a ser humana e fugiu da escola.

Apesar de tudo, a protagonista conseguiu impedir que sua melhor amiga, Stevie Rae, continuasse a se transformar em um monstro, e a ajudou a resgatar sua humanidade e a concluir sua surpreendente transformação em uma nova espécie de vampiro, pertencente a uma linhagem vermelha. Mas ela não pode mais permanecer na Morada da Noite. Portanto, Zoey está entregue à própria sorte.

Nesta obra, amizade, lealdade, fé, esperança e coragem são valores constantemente colocados à prova. Sem eles, a protagonista não poderá vencer os terríveis fantasmas que ameaçam tomar conta da Morada da Noite e destruir a todos, inclusive aos humanos. Um antigo mal está prestes a renascer e somente Zoey, a princípio, sente sua presença.

Mais que nunca, porém, se faz sentir também a manifestação de Nyx, a Deusa dos vampiros. Ela transmite a Aphrodite, de volta à escola, e a Zoey, a importância de se respeitar o livre-arbítrio, mesmo quando quem o detém escolhe caminhos sombrios, e também as alerta quanto à importância de se manterem vigilantes e atentas diante de um dilema que se aproxima. Elas terão que aprender a escolher entre o amor e o caos.

A sacerdotisa novata só tem as visões sangrentas de Aphrodite para guiá-la. Apesar de não ser mais uma novata vamp, a antiga líder das Filhas das Trevas ainda detém alguns poderes, entre eles o de visualizar possíveis futuros. Em uma destas previsões, ela vê a morte de Zoey – na verdade, duas possibilidades da poderosa novata encontrar o fim de sua vida. Ambas, porém, culminam em um terrível combate entre vampiros e humanos.

Este futuro sombrio pode ser mudado, mas somente se Zoey reconquistar a confiança e a cumplicidade de seus amigos. Novos aliados, porém, surgem em seu caminho. Ela tem novamente a parceria de Stevie Rae e, por extensão, dos novatos vermelhos. Além do mais, como uma das profecias vislumbradas por Aphrodite está ligada a velhos mitos cherokees, ela pode também contar com a ajuda de sua avó.

Como se não bastassem estes inusitados cúmplices, ela conta igualmente com o apoio de uma freira, Irmã Mary Ângela, ligada ao Street Cats, entidade que cuida de gatos abandonados, na qual Zoey e Aphrodite passam a realizar trabalhos voluntários. Por outro lado, uma sacerdotisa poderosa, Shekinah, temporariamente na liderança da Morada da Noite, tem o poder de refrear os temíveis impulsos de Neferet. Por algum tempo ela consegue impedir que a sacerdotisa corrompida pelo mal inicie sua guerra contra a Humanidade.

Com este time poderoso de amigos, resta a Zoey resgatar as velhas amizades, com persistência, plena consciência de seus erros e o apelo a uma antiga mediadora de conflitos, a Verdade. Ao leitor, cabe mergulhar neste universo sombrio que, na verdade, parece muito familiar ao contexto caótico que a Humanidade vivencia nestes tempos pós-modernos, nos quais a terra perde seu valor sagrado e a Natureza se transforma, cada vez mais, em fera desconhecida, sem controle algum.

Leia também: