O Mágico de Oz

Por Ana Lucia Santana
O Maravilhoso Mágico de Oz é a principal obra do escritor Lyman Frank Baum, nascido nos Estados Unidos. Em fins do século XIX eclodiu um movimento entre autores e produtores de livros infantis no continente europeu. Eles defendiam a criação de histórias desprovidas da violência que se dizia povoar as páginas dos antigos contos de fadas. Baum também acreditava na possibilidade de se elaborar uma narrativa moderna que recriasse a atmosfera onírica do universo das fadas, sem, no entanto, recorrer à dor e aos sofrimentos presentes nos contos ancestrais.

Assim, em maio de 1900, na aurora do século XX, o autor publica sua grande obra, O Maravilhoso Mágico de Oz, repleto de gravuras elaboradas por W.W. Denslow. Até hoje este livro é visto pelos críticos como a primeira narrativa norte-americana do gênero fantástico. Seu protagonista, um ex-artista circense, mais especificamente um mágico, é conduzido para Oz em um balão sem rumo. Aí desembarcando, em uma terra desconhecida e habitada por bruxas cruéis, ele simula também ser um bruxo poderoso, para isso se valendo das técnicas de ilusionismo que dominara ao longo de sua carreira.

Sediado na Terra das Esmeraldas, ele é descoberto pela garota Dorothy Gale, que também vai acidentalmente para a Terra de Oz, o mágico recanto criado pela imaginação de Baum, transportada por um ciclone de sua terra natal, o Kansas, para este universo desconhecido, repleto de seres conhecidos como Munchkins. Como ninguém sabe lhe informar o caminho de volta para casa, ela decide percorrer uma jornada que a levará até o Mágico de Oz, o único que parece deter as respostas e as soluções procuradas por Dorothy, e pelos personagens que a menina conhece ao longo do caminho. Entre eles estão o Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde.

Quando a turma de amigos se junta ao Mágico de Oz e descobre a verdade, Dorothy é obrigada a lutar contra seus medos e desafiar as bruxas más. Só assim ela pode salvar seus companheiros e partir dali. O ilusionista edifica então um outro balão, que deverá levar a garota e ele para casa, mas por um incidente a aeronave vai embora sem ela.

O autor escreveu vários volumes narrando diversas aventuras do Mágico e de Dorothy, que voltam a se encontrar na quarta parte da série, embora não mais nesta mesma paisagem. Aqui eles vivem outras experiências, ao lado de um menino chamado Zeb, um cavalo que normalmente conduz charretes e uma gata conhecida como Eureka, nova companheira de Dorothy, em um universo sob a terra.

O êxito da obra de Lyman foi tão grande que em 1902 ele produziu um musical baseado na sua publicação, o qual ocupou os palcos de Chicago para, logo depois, conquistar o centro dos espetáculos nova-iorquinos, a Broadway. Em 1925 a história foi convertida para o cinema, então um filme mudo, memorável pela presença de Oliver Hardy, integrante da dupla O Gordo e o Magro, na pele do Homem de Lata.

Posteriormente, em 1939, foi lançado pelo Estúdio Metro Goldwyn Mayer a versão protagonizada por Judy Garland, atriz que se tornaria célebre após sua atuação nesta película. Este filme se transformou em um dos mais assistidos, no cinema e na televisão, atingindo o pico de mais de um bilhão de espectadores.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mágico_de_Oz
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=978&cat=Infanto_Juvenil&vinda=S