Doença de Newcastle

Por Débora Carvalho Meldau
A doença de Newcastle (DNC) foi descrita pela primeira vez na Grã-Bretanha por Doyle, no ano de 1926, através de observações realizadas na cidade de Newastle. Ela é conhecida também como pseudo peste aviária, causada por um vírus pertencente à família Paramyxoviridae, gênero Rubulavirus, sorotipo APMV-1. Este agente é altamente contagioso e patogênico e afeta aves silvestres e comerciais.

Devido ao seu alto poder epidemiológico, esta enfermidade pode levar a grandes prejuízos econômicos, sendo a principal doença do Plano Nacional de Sanidade Avícola (PNSA).

O período de incubação deste vírus pode variar de 2 a 15 dias, em condições naturais, dependendo de fatores, como: a idade da ave, seu estado imunológico, o ambiente, a virulência da cepa, entre outros.

A patogenicidade deste vírus é muito variável, apresentado cinco patotipos distintos:

  • Velogênico Viscerotrópico: possui alta patogenicidade, levando à altos índices de mortalidade. As lesões mais comuns neste caso são intestinais e respiratórias hemorrágicas.
  • Velogênico Neurotrópico: são cepas altamente patogênicas que apresenta sintomas respiratórios e nervosos, levando a um índice elevado de mortalidade.
  • Mesogênico: esse tipo possui um baixo índice de mortalidade e, geralmente, acomete animais jovens. Apresenta sintomatologia respiratória mais branda e, certas vezes, sintomas nervosos. Causa queda na postura de ovos.
  • Lentogênica ou Vacinal: estas cepas são utilizadas na fabricação de vacinas. Os sintomas apresentados são infecções respiratórias brandas. Quando os valores do IPIC (índice de patogenicidade de uma cepa viral) são inferiores à 0,6 não causam a doença.
  • Entérica Assintomática: essa cepa ataca o intestino, levando a infecções entéricas. Também está sendo utilizada na fabricação de vacinas.

Transmissão

A transmissão da doença pode ocorrer de ave para ave (horizontalmente), ou através do contato de produtos contaminados, sendo que as vias de eliminação do vírus são: fezes e aerossóis.

Sintomas

Os sinais clínicos apresentados são semelhantes à outras doenças infecciosas que causam sintomas digestivos e respiratórios. Os animais acometidos apresentam conjuntivite, secreções nasais, dificuldade para respirar (bico aberto), fezes de coloração esverdeada (do início ao final da doença), dificuldade de permanecerem em pé, torcicolo e paralisia.

Sendo uma doença de grande importância econômica, o diagnóstico definitivo deve sempre ser feito pelo Médico Veterinário Oficial. O Médico Veterinário da Granja desconfiando da doença encaminha o animal para o Médico Veterinário Oficial, que irá coletar material para realizar um diagnóstico laboratorial, através do isolamento do vírus.

Tratamento

Não há tratamento. Deve ser feito um controle e prevenção da doença através da vacinação e medidas sanitárias adequadas, como: restrição do acesso de pessoas, aves e seus produtos à granja.

Bibliografia consultada:
http://adapec.to.gov.br/conteudo.php?id=68
http://pt.wikipedia.org/wiki/Doença_de_Newcastle
http://www.saudeanimal.com.br/artigo59.htm
Enfermedades de las Aves (K. Fritzsche – E. Gerriets) Editora Acridia (Zaraoza – Espanha)

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.