Bioterismo

Bioterismo é o uso de animais de laboratório para a pesquisa biomédica. O bioterismo é utilizado em estudos de anatomia, fisiologia, imunologia, virologia e parasitologia, isso permitiu um grande avanço no desenvolvimento da ciência e tecnologia. Biotério nada mais é que uma instalação que atende às exigências dos animais onde são criados e/ ou mantidos, proporcionando-lhes bem-estar e saúde para que possam se desenvolver e reproduzir, bem como pra responder satisfatoriamente aos testes neles realizados.

Antigamente, os animais de laboratório eram utilizados como simples instrumentos de trabalho que ajudavam na investigação de diagnostico e diferentes pesquisas sem se levar em conta sua qualidade genética e sanitária. Hoje em dia, os pesquisadores exigem que estes animais reúnam condições que atendam aos parâmetros de qualidade genética e sanitária, uma vez que são reagentes biológicos e os resultados dos experimentos são afetados em razão da qualidade de cada espécie utilizada.

A importância dos animais de laboratório é incalculável, pois contribui às novas descobertas para a prevenção de doenças e para sua cura, bem como para o desenvolvimento de novas técnicas de tratamento cirúrgico. Esse reagente biológico é fundamental como modelo de estudo de doenças ainda incuráveis, como muitos cânceres, AIDS e a esclerose múltipla. Contribui ainda para o controle de mais de dez mil produtos farmacêuticos em uso corrente no mundo e que, testados quanto à eficácia, esterilidade, toxicidade e potência resultam na sobrevida de muitos pacientes. A área dos transplantes de órgãos e tecidos é cada dia mais impulsionada, bem como a de produção de derivados biológicos para uso em humanos com base na obtenção de animais transgênicos. O controle de doenças hereditárias também se desenvolveu à proporção que os dias passam. A produção e o desenvolvimento de vacinas e de anticorpos monoclonais, a avaliação e o controle de produtos biológicos, os estudos de farmacologia e toxicidade, estudos de bacteriologia, virologia e parasitologia, estudos de imunologia básica, de imunopatologia, de transplantes e de drogas imunossupressoras, entre outros, exigem o emprego de animais definidos genética e sanitariamente.

Pelas razões descritas anteriormente e pela necessidade das experimentações serem realizadas em animais antes que qualquer produto seja aplicado ao homem, já que este não pode ser transformado em cobaias e considerado, ainda, que a essência deste trabalho é salvar vidas humanas mediante a produção desses animais e sua posterior utilização, o bioterismo assume um papel de suma importância e deve ser encarado com total responsabilidade tanto por parte daqueles que desenvolvem tais atividades quanto por parte dos dirigentes. As técnicas atuais de engenharia genética e de biologia molecular abriram muitos caminhos para a criação e produção dos animais de laboratório.

Fonte:

Animais de laboratório: criação e experimentação. / Antenor de Andrade, Sergio Correia Pinto e Rosilene Santos de Oliveira.- Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina