Cirurgia pré-protética

Por Samara Ferreira
Cirurgia pré-protética é definida como qualquer procedimento cirúrgico efetivado na cavidade oral com o objetivo de reparar a adaptação de prótese com o processo alveolar, relacionados tanto ao tecido ósseo como ao tecido mole da região.

Uma das técnicas utilizadas é a alveoloplastia imediata que é alcançada simultaneamente com as extrações dentárias, esta podendo ser de um maior ou menor grau, dependendo da técnica cirúrgica realizada e do número de dentes a serem extraídos.

Quando ocorre a necessidade de extração de vários elementos dentários, alguns cuidados precisam ser adotados como:

  • Abundância de anestésico
  • Radiografias bem recomendadas
  • Sequência cirúrgica bem esquematizada (Iniciando pelos dentes posteriores da maxila, não removendo os primeiros molares, em seguida os anteriores deixando os caninos. Lembrando que a sequência para a mandíbula é a mesma).
  • Confecção ou não de prótese imediata
  • Áreas do rebordo a serem ajustadas

O procedimento cirúrgico é iniciado com uma incisão sulcular juntando todos os dentes a serem extraídos, formando um retalho em envelope,podendo haver necessidade de incisões verticais relaxantes.em seguida com o uso de uma alavanca,a luxação dos dentes é concretizada,concluindo as extrações com o fórceps indicado,e respectivamente realiza-se a limpeza da ferida cirúrgica, reposição do tecido mole,controle do sangramento,correção de espículas ósseas com lima ou goiva se necessário.é respeitável ressaltar que no momento da alveoloplastia remover apenas as áreas em excesso.

Na relação maxilomandibular uma das técnicas aconselhadas é alveoloplastia intra-septal, onde removemos os septos e fraturamos a tábua vestibular aproximando-a da tábua palatina, reparando a relação Antero-posterior.

No planejamento protético para confecção de próteses totais ou parciais, necessitamos nos preocupar com a presença de proeminências ósseas conhecidas como exostoses, onde com a perda dos dentes e a necessidade do uso de prótese, a excisão destas exostoses é indicada em quase todos os casos. As exostoses mais comuns são:

  • Os toros palatinos
  • Os toros mandibulares

Nos tecidos moles pode ocorrer no tecido fibroso móvel, hiperplasia fibrosa, hiperplasia papilar, frenectomia lingual, labial, por exemplo, no freio labial, sua remoção é chamada de frenectomia, e é apenas indicada quando da presença da dentição, em casos em que sua inserção possa estar associada á presença de diastema. As técnicas indicadas para remoção do freio labial são excisão simples (excisão elíptica ao redor do freio até o periósteo); zetaplastia (incisão similar à excisão simples, porem somadas a duas incisões obliquas em forma de Z); epitelização secundaria (incisão em mucosa e submucosa, dissecção do retalho mantendo o periósteo intacto, deslocamento apical do retalho e sua sutura ao periósteo); técnica da dupla pinçagem (pinçagem dupla em ambas as inserções do freio, com auxilio de pinças hemostáticas.

Contudo, a implantodontia é considerada o método mais estável de reabilitação oral, pois podemos reabilitar desde casos unitários ate casos de edentualismo total, restabelecendo ao paciente não só a função, mas a estética.

Referências bibliográficas
Prado R, Salim MAA. Cirurgia Bucomaxilofacial: Diagnóstico e Tratamento. 1ª Ed. Rio de Janeiro: MEDSI Editora médica e científica; 2004.
Araújo A, Gabrielli MFR, Medeiros PJ. Aspectos Atuais da Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. 1ª ed. São Paulo: Editora Santos; 2007.p 271.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.