Coma

A origem da palavra coma é grega e quer dizer sono profundo. Em medicina é um estado severo de perda da consciência, resistente a estímulos externos, que pode ter uma série de causas. O estado de coma não é propriamente uma doença, mas uma síndrome. Trata-se de uma emergência médica. O coma persistente é denominado de estado vegetativo.

Dentre as principais razões que podem desencadear o estado de coma podemos citar: intoxicação alcoólica ou com drogas (especialmente opiáceos, medicamentos ansiolíticos ou anticonvulsivos, narcóticos e sedativos); arritmia cardíaca; transtornos cerebrais; doenças do sistema nervoso central; falta de oxigênio (hipoxia); taxas anormais de açúcar no sangue (coma diabético); desequilíbrio de eletrólitos ou minerais; exposição a metais pesados; fadiga extrema ou privação do sono; traumatismo craniano; insuficiência cardíaca; aumento do nível de dióxido de carbono (visto comumente em pacientes com enfisema); infecções, baixa pressão arterial; transtornos metabólicos; transtorno da glândula tireóide ou das supra-renais; convulsões relacionadas com epilepsia; estado de choque e acidente vascular cerebral (AVC).

Do estado mais superficial de coma ao mais profundo, são reconhecidos quatros graus, são eles:

1º- diminuição da consciência, estado de estupor, reflexos presentes, bem como o tônus muscular e controle dos esfíncteres.

2º- a consciência está desconectada, diminuição do tônus muscular, ausência de reação aos estímulos, perda do reflexo de sucção e perturbações na deglutição, perda do controle dos esfíncteres. Conserva as funções vegetativas e os sinais vitais mantêm-se normais.

3º - consciência totalmente abolida, bem como o sistema muscular, o controle dos esfíncteres, sucção e deglutição. As funções vegetativas são alteradas, dadas as alterações respiratórias e cardíacas. Baixa pressão arterial, hipertermia e aumento da secreção dos brônquios.

4º- perda de todas as funções vegetativas. Parada cárdiorrespiratória. O paciente só sobrevive por meios artificiais. Morte cerebral.

Na medicina de emergência foi adotada a tabela de Glasgow para determinar o nível de consciência do paciente. Esta escala examina a capacidade neurológica de determinado momento e seu perfil evolutivo, e serve para determinar, por exemplo, se a oxigenação se faz necessária. Esta escala avalia a reação da pupila, a resposta motora e a resposta verbal cada uma com sua respectiva pontuação. A pontuação mínima que alguém pode ter é 3 (coma profundo) e a máxima é 15 (coma leve).

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina