Medicina Antroposófica

A Medicina Antroposófica consiste em uma extensão da medicina acadêmica, na qual a prática médica é enriquecida pelo trabalho em conjunto de profissionais de diversas áreas.

São diversos os pontos que caracterizam e distingue a abordagem dos problemas de saúde por parte da Medicina Antroposófica. Tudo tem início com uma visão aumentada do ser humano. Quando diante de uma patologia, o médico antroposófico, além de levar em consideração o quadro clínico do paciente, que envolve a sintomatologia, dados obtidos na anamnese e no exame físico, os resultados de exames laboratoriais e de imagem, também investiga como está a vitalidade do paciente, o seu estado emocional e como o mesmo tem levado a sua vida através dos anos. Deste modo, o diagnóstico convencional passa a ser mais profundo e individualizado.

Sendo assim, pode-se dizer que a Medicina Antroposófica é uma ampliação da Medicina Acadêmica, na qual cada médico procura enriquecer sua prática, buscando uma atuação mais viva e integrada para atender o homem em suas distintas dimensões.

Foi no início do século XX que surgiram os primeiros fundamentos da Medicina Antroposófica, a partir de um trabalho realizado por um grupo de médicos, no qual estava a frente a Dra. Ita Wegman e Dr. Rudolf Steiner. A primeira foi responsável por estabelecer terapias apropriadas para a nova imagem que a entidade humana carrega dentro deste conceito.

O homem, de acordo com a Antroposofia, possui quatro estruturas essenciais. São elas:

  • Corpo Físico: estrutura sólida, substancial que existe em diferentes formas em todos os reinos encontrados na natureza.
  • Corpo Vital ou Etérico: é o fundamento da vida, das características ditas vegetativas, como crescimento, regeneração e reprodução.
  • Corpo Anímico ou Astral: trata-se do fundamento da organização sensitiva do ser humano. Este, por sua vez, é capaz de reordenar os processos biológicos, possibilitando o surgimento do sistema nervoso e da vida psíquica no mundo animal e no homem.
  • Organização do Eu: consiste na organização própria do ser humano, considerada como nossa entidade espiritual e responsável pela auto-consciência, reorganizando a forma como os outros três corpos atuam. Sua existência traz o ato de andar ereto e a capacidade de pensar e falar. Relaciona-se com o espírito, calor e fogo.

A terapêutica nesta medicina abrange o uso de fármacos específicos, oriundos do reino vegetal e animal, utilizados conforme processos farmacêuticos próprios de diluição e dinamização. Além disso, também são utilizadas terapias complementares, como a terapia artística, a massagem rítmica, aplicações externas, euritimias curativas, musicoterapia, dentre outras. Uma vez que a Medicina Antroposófica não se opõe à Medicina Acadêmica, quando for preciso, podem ser usados juntamente com os fármacos Antroposóficos, fármacos convencionais.

Fontes:
http://www.abmanacional.com.br/medicina-antroposofica
http://sab.org.br/med-terap/art-kaliks.htm
http://www.clinicaamai.com.br/i/antroposofia.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina