Otorragia

Por Marina Martinez
Otorragia é um tipo de hemorragia interna exteriorizada que acomete o canal auditivo. Esta expectoração sanguinolenta pode ser ocasionada por uma variedade de fatores tais como lesão no ouvido, por fratura craniana, trauma no canal auditivo, infecções graves, aneurismas, por tumores e pela ruptura dos tímpanos.

Em mergulhadores amadores que gostam de explorar grandes profundidades, quando não preparados com equipamentos certos e as técnicas de mergulho recomendadas para baixas profundidades (manobras de equalização), ao retornar de forma incorreta para a superfície da água, pode ocorrer a otorragia pela ruptura do tímpano causada pela variação de pressão na água.

Caso haja a ruptura do tímpano na água acompanhada por otorragia o mergulhador terá suas estruturas labirínticas irritadas, perdendo a orientação espacial e sentindo náuseas, vertigem (tontura) e em casos extremos até desmaiar (síncope), correndo o grande risco de morrer por afogamento. Por isso é essencial o acompanhamento de um profissional.

Outra causa comum de otorragia é a introdução de objetos estranhos e pontiagudos dentro do canal auditivo que pode também romper o tímpano. Deve-se tomar muito cuidado ao limpar as orelhas usando cotonetes umedecidos somente na parte externa do ouvido. Colocar o cotonete dentro do canal auditivo pode ser perigoso e provocar o rompimento do tímpano e causar sangramento. Se notar que o ouvido está entupido e com presença de muita cera é aconselhável procurar um otorrino para que ele possa fazer a limpeza interna.

A exposição a barulhos súbitos e intensos, acima de 85 decibéis, também pode resultar em perfuração do tímpano causando otorragia. Pessoas que frequentam constantemente boates, shows e outros ambientes barulhentos podem se prevenir usando protetores de ouvido que diminuem a intensidade do barulho, e consequentemente diminui o dano ao ouvido. Se depois de uma exposição a barulhos altos, existir a presença de um zumbido persistente nos ouvidos é sinal de o canal auditivo foi machucado pelo barulho. Isso em longo prazo pode resultar em surdez.

Em hemorragias dos ouvidos após traumatismos cranianos além do sangue perdido, a vítima pode apresentar também saída de líquor (líquido cefalorraquidiano). Ao contrário de outros tipos de hemorragias em que a primeira etapa do socorro é o estancamento do sangue, nas otorragias deste tipo não se faz o tamponamento. A equipe de socorro ao prestar ajuda a vítima certifica de que a mesma está consciente ou não. Caso esteja consciente, posicionam a vítima em decúbito dorsal. Se inconsciente, a vítima é posicionada lateralmente com a orelha que esteja sangrando para baixo.

Desta forma a hemorragia do ouvido é amenizada e o paciente poderá ser encaminhado ao hospital mais próximo para receber os devidos tratamentos.

Fontes:
http://it.wikipedia.org/wiki/Otorragia
http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_12455.php
http://www.cdof.com.br/socorros1.htm
http://www.manualmerck.net/?id=238&cn=1915

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.