Jasão

Por Antonio Gasparetto Junior
Jasão é um importante personagem herói da cultura grega.

Filho de Esão com Alcímede ou Polímede, já que há versões diversas sobre quem seria de fato sua mãe, Jasão era proveniente da Tessália, uma região localizada na parte central da Grécia banhada pelo mar a Leste. De acordo com a tradição, Jasão teria sido criado pelo centauro Quíron, um homem cuja metade de baixo de seu corpo era de cavalo. Quíron era diferente dos tradicionais centauros com fama de bebedores e indisciplinados, ele era inteligente, civilizado e bondoso, famoso e reconhecido por sua inteligência superior a dos seus pares, especialmente no que se referia ao trato com a medicina.

Jasão era membro de uma linhagem nobre. Seu avô, Creteu, era fundador do trono de Lolcos, uma cidade da mitologia grega localizada também na Tessália. O trono foi passado para o tio de Jasão, Pélias, que temia a profecia de ser morto por seu sobrinho. Para fugir de seu suposto destino, Pélias enviou Jasão para uma missão quase impossível, que era trazer o Velocino de Ouro, a lã de ouro do carneiro alado Crisómalo, de Cólquida, região localizada no sul do Cáucaso, muito distante. Essa era a condição estipulada por Pélias para que seu sobrinho restituísse o trono. Jasão foi então para Argo, uma cidade na Península do Peloponeso, para construir sua nau. Lá, ele reúne uma tripulação de heróis para acompanha-lo que ficaria conhecida como argonautas.

Jasão e os argonautas enfrentaram vários desafios até, finalmente, chegarem à Cólquida. Para piorar, o soberano do local, o Rei Eetes, exigiu que Jasão cumprisse várias tarefas para que tivesse o direito de obter o Velocino de Ouro. Entre as tarefas exigidas estavam arar um campo com touros que cuspiam fogo, semear os dentes de um dragão, lutar com o exército que brotaria desses dentes semeados e passar pelo dragão que fazia a guarda do Velocino. Para surpresa do rei, Jasão realizou completamente todas as tarefas e, enfim, obteve o que fora buscar. No entanto, o herói grego se enamorou pela filha do rei, Medeia, e fugiu com ela buscando o caminho de casa. No meio do trajeto, Jasão teve de enfrentar mais uma série de desafios por conta disso. E, ao voltar para Lolco, Medeia planeja a morte de Pélias para fazer cumprir a profecia. Pélias ficou surpreso com a volta de Jasão, pois achava que sua tarefa era impossível de ser realizada. Ao fim, foi morto e seu trono passou para seu filho Acasto, que foi morto pelas próprias filhas, também enganadas por Medeia. Só então Jasão sucedeu como soberano no trono de Lolco.

Passado algum tempo, Jasão se retirou para Corinto e, após dez anos de casamento com Medeia, o herói grego a abandonou para se casar com a filha do rei de Corinto, Gláucia. Medeia, que já havia demonstrado sua capacidade de arquitetar a morte de seus rivais, vingou-se de Jasão matando Gláucia e os próprios filhos que tivera com o grego de Tessália. Ela fugiu em seguida para Atenas, onde se casou com o rei Egeu e teve um filho, Medo. Mãe e filho retornaram para Cólquida e descobriram que Eetes havia sido deposto por seu filho Perses. Mais uma vez, Medeia, agora junto com seu filho, planeja outra morte e entrega o reino a Medo. Enquanto isso, Jasão vivia em descrédito e tristeza quando, muitos anos depois, foi morto por um pedaço de madeira.

Fontes:
http://veterinariosnodiva.com.br/books/7-absirto.pdf
http://www.letras.ufrj.br/proaera/Medeia.pdf
http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v11n2/v11n2a05.pdf
http://www.youtube.com/watch?v=RfO8dKPcTsY