Nova Objetividade

Por Felipe Araújo

"Meus quadros são uma repreensão a Deus por tudo aquilo que ele faz de errado"

(Max Beckmann, pintor alemão)

Berço de diversas manifestações artísticas importantes no século XX, na Alemanha surgiu um movimento chamado de Nova Objetividade (Neue Sachlichkeit). Esta vertente foi iniciada durante os anos 20 e teve o objetivo de reagir ao expressionismo. Com a derrocada da República de Weimar e o início da tomada do poder pelo partido nazista, a Nova Objetividade terminou. Com influência em diversas outras escolas posteriores, o movimento teve a aplicação de seu conceito no cinema, fotografia, arquitetura, música, literatura e na arte pictórica.

O termo foi criado por Gustav Friedrich Hartlaub, historiador da arte modernista e diretor da Kunsthalle de Mannheim, em uma carta que enviou para alguns colegas, onde explicava o planejamento de uma de suas exposições. Oficialmente, o termo foi visto pela primeira vez no artigo de Hartlaub chamado "Introdução à Nova Objetividade: a pintura alemã desde o expressionismo", onde ele explica o conceito da seguinte forma: “O que aqui estamos mostrando distingue-se pelas, em si mesmas puramente externas, características da objetividade com a qual os artistas se expressam”.

Naquela época, os adeptos da Nova Objetividade foram divididos em 2 grupos de acordo com as características das obras produzidas. O primeiro grupo levava o nome de veristas. Eram os que, segundo Hartlaub, rasgavam a forma objetiva do mundo, representando experiências de seu tempo em altas temperaturas. O segundo grupo foi nomeado de realistas mágicos. Na definição de Hartlaub, eram aqueles que procuravam o objeto com uma habilidade eterna para encarnar as leis exteriores da existência dentro da esfera das artes.

O mais importante representante da Nova Objetividade no campo da fotografia foi Albert Renger-Patzsch. Entre as características empregadas por ele em suas obras, encontram-se a utilização de enquadramentos diferentes, emprego da luz de forma funcional e utilização de objetivos de comprimentos focais diferenciados.

No cinema, um realizador de grande importância foi Georg Wilhelm Pabst, austríaco. Com a sua obra “Bajo a máscara do prazer”, foi iniciado o primeiro capítulo do realismo e da polêmica no que se refere ao cinema feito na Alemanha antes da dominação nazista.

No campo musical e das artes visuais, a Nova Objetividade abdicava da agitação das emoções pregada pelo expressionismo e recusava o sentimentalismo da escola romântica. Entre os ícones da escola estão Paul Hindemith, que também é considerado expressionista, Ernst Toch e Kurt Weill.

Fontes:
DEMPSEY, Amy . Estilos , Escolas e Movimentos - Guia Enciclopédico da Arte Moderna . São Paulo: Cosac Naify, 2004.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nova_Objetividade
http://www.dictionaryofarthistorians.org/hartlaubg.htm
http://www.imdb.com/name/nm0655065/