História da Shell

Por Fernando Rebouças
Uma singela loja, situada no East End, em Londres, vendia objetos de antiquários e conchas orientais para enfeites, em 1833. O dono desta loja era Marcus Samuel, que com o tempo passou a trabalhar no setor de importação e exportação.

O dono da loja, Marcus Samuel Sênior, faleceu em 1870, deixando como herdeiros do negócio os filhos Marcus Samuel e Samuel Samuel. Em 1878, os irmãos dividiram os bens e cada um estabeleceu sua própria empresa, Samuel Samuel se instalou no Japão e Marcus Samuel manteve-se em Londres, ampliando o seu negócio com vendas de querosene do Oriente, em 1885.

Em 1890, Marcus Samuel começou a vender querosene a granel, combustível que viria da Rússia pelo Canal de Suez. Na Índia, emergiu a empresa de petróleo Royal Dutch Petroleum Company que explorava o “ouro negro” na região de Sumatra com pontos de armazenamento.

Em 1892, a empresa de Marcus Samuel se associa à Royal Dutch na tentativa de vender a concorrente norte-americana Standard Oil, união que se oficializa em 1903, com a participação da Rothschild. Toda a produção saía das Índias Orientais e era distribuída para todo o mundo.

Marcus Samuel neste mesmo período adquiriu concessões para perfuração de jazidas, ao construir sua própria refinaria teve que fundar uma terceira empresa, a “The Shell Trading Company Limited” ; o nome Shell, que significa concha, foi escolhido em lembrança da antiga loja de seu pai que vendia conchas. Enquanto a Royal Dutch era rica em gasolina, a Shell se fortaleceu em óleo combustível, atualmente é uma das maiores empresas de petróleo do mundo e está no Brasil desde 1913.