Pop-Rock brasileiro - Anos 90

Por Fernando Rebouças
No início da década de 90, a MTV chegava oficialmente ao nosso país trazendo clipes e shows de astros da música estrangeira e veiculando clipes de artistas brasileiros já consagrados como Caetano Veloso, Marina, Ed Mota e das grandes bandas sobreviventes dos anos 80. Quando pensamos em década de 90, logo nos vem na mente o movimento que a música sertaneja romântica formatou no início da década, no Axé Music baiano que invadiu as rádios de todo o país e no pagode que pegou carona nas rádios populares até o fim dos anos 90.

Porém durante esta mesma década, o pop rock nacional continuou efervescendo sua criatividade, apesar de um mercado mais escasso em comparação às três décadas anteriores. Em 1992, uma banda de reggae mineiro lançou um cd independente intitulado “Skank”, o trabalho era tão bom que a Sony relançou o disco; em 1995, o segundo trabalho da banda Calango atingiu 1,2 milhão de cópias vendidas com músicas Te Ver, Jackie Tequila, Pacato Cidadão, Esmola, Amola e a regravação do rei É Proibido Fumar; Em 1996, a banda bateu recorde de vendas com o cd “Samba Poconé”, atingindo 1,8 milhão de cópias vendidas, e a música Garota Nacional estourou no país inteiro.

Em Recife, surgiu o movimento “mangue beat”, com bandas como Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A, que apresentavam uma mistura de maracatu e música pop. No Rio de Janeiro, em 1993, Gabriel O Pensador, surgia no cenário musical com rap´s como o rap do Playboy, Loira Burra, To Feliz Matei o Presidente. Os Titãs antes de mergulharem no acústico MTV e em releituras musicais, lançaram o selo “Banguela” dentro da gravadora WEA, com o propósito de lançar novos talentos, deste projeto surgiram os Raimundos e o primeiro cd do Mundo Livre.

O Rock pesado ficou por conta da banda Planet Hemp, liderada por Marcelo D2, hoje em carreira solo, e Bnegão, a banda foi perseguida pela justiça por fazer músicas sobre usuários de drogas. Em 1995, os Mamonas Assassinas estouraram em todo país trazendo um rock lúdico juvenil, venderam 2,6 milhões de discos, os hits Vira Vira, Pelados em Santos e Robocop Gay tocavam em todas as rádios. Nesta década ainda surgiram o Jota Quest, Patofu, O Rappa, Los Hermanos e outros artistas que fizeram a fusão do rock-reggae-mpb.