Leite Materno

A escolha entre amamentar o bebê no seio ou na mamadeira é muito importante e pessoal. A amamentação no seio é sempre a mais aconselhada, contudo, a escolha envolve diversos aspectos que precisam ser considerados, pois, em alguns casos há dores e desconforto para a mãe, complicações e cuidados médicos ou até mesmo a falta de capacidade na produção do leite.

O aleitamento materno apresenta várias características muito importantes tanto para o bebê como para a própria mãe. O leite materno possui anticorpos que proporcionam imunidade para a criança contra doenças até que seu sistema imunológico esteja desenvolvido (por volta dos seis meses de vida). O leite materno possui todos os nutrientes, vitaminas, minerais e a água necessária para que o bebê cresça saudável.
O primeiro contato entre mãe e filho na hora da mamada é de grande importância porque cria um vínculo de amor e carinho entre mãe e o bebê, gerando segurança e tranqüilidade para eles.

Nos três primeiros dias após o parto o leite secretado é denominado colostro, essencial para o recém nascido, pois, apresenta características fundamentais para a proteção do bebê. O leite se torna maduro por volta do 15º dia após o parto.

Já foi comprovado que o aleitamento materno exclusivo até os seis meses pode evitar o desenvolvimento de algumas doenças e complicações ao bebê como: alergias, diarréia, vômito, cólicas, entre outras, deixando o bebê com a imunidade mais alta. Além disso, a mãe também é favorecida quando faz uso do aleitamento materno porque se sente mais segura e menos ansiosa, além de ajudar na queima de calorias e contribuir para a volta do peso que tinha antes da gestação.

A partir do sexto mês é preciso dar início a um complemento alimentar na forma de sucos, frutas, sopinhas e papinhas conforme a idade do bebê e a sua aceitabilidade, espaçando assim o intervalo entre as mamadas. A partir dessa fase, a criança começa a digerir outros alimentos sem que danifique seu sistema digestório.

A mãe não precisa preocupar-se caso nas primeiras tentativas o bebê não aceite algum dos novos alimentos. É normal que a criança rejeite uma nova comida, pois, está acostumada com o leite. Situações de rejeições ocorrerão, principalmente com os alimentos salgados, mas com a insistência a criança irá se acostumar com os novos sabores familiarizando-se com os novos alimentos.

Não deixe de amamentar seu bebê, o sentimento e o vínculo transmitido durante a amamentação não tem explicação, é simplesmente encantador.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Alimentos, Nutrição