Cimentos Odontológicos

Por Samara Ferreira
Os Cimentos Odontológicos são agentes de vedação usados para as restaurações fundidas. Estes incidem em um ácido combinado com uma base de oxido metálico para formar um sal e água.

O sucesso das restaurações cimentadas com estes agentes de vedação tem sido atribuído á excelente adaptação entre a restauração e o dente preparado.

O cimento de fosfato de zinco é bastante utilizado nas restaurações fundidas. Possui como principais características:

  • Resistência adequada
  • Tempo de trabalho razoável

O uso bem sucedido deste material com o passar dos anos recomenda que o seu efeito sobre a polpa dentária é clinicamente aceitável, desde que as preocupações normais sejam adotadas e que o preparo não esteja muito próximo da polpa.

O cimento de policarboxilato de zinco possui uma relativa biocompatibilidade, que pode se dever ao fato de que as moléculas do ácido poliacrílico são amplas e possui as seguintes características:

  • Exibe a adesão especifica as estruturas dentárias
  • Alta viscosidade
  • Tempo de trabalho é mais curto do que o do fosfato de zinco.

A sua aplicação deve ser limitado ás restaurações com boa retenção e resistência, em que irritação mínima da polpa é necessária.

Quanto ao cimento de ionômero de vidro, este possui adesão ao esmalte e a dentina e exibe boa biocompatibilidade, efeito anticariogênico.

“o cimento seco é um tanto translucido, o que é uma vantagem quando ele é usado com a técnica da margem vestibular de porcelana” (ROSENSTIEL. p766).

O óxido de zinco e eugenol com ou sem EBA, possui características inferiores às de outros cimentos, o que limita o seu uso. O cimento de EBA tem um tempo de trabalho relativamente curto e é complicado de remover o excesso de material.

Os ionômeros de vidro modificados por resina foram introduzidos na década de 90, com intuito de combinar algumas propriedades desejáveis do ionômero de vidro com a resistência superior e a baixa solubilidade das resinas. Estes materiais são menos suscetíveis a uma exposição prematura á umidade do que o ionômero de vido e atualmente estão entre os materiais mais populares da pratica geral.

Os ionômeros de vidro modificados por resina devem ser evitados nas restaurações de cerâmicas, porque foram associados á fratura, que provavelmente é devida à absorção da água e expansão.

Por último, temos os agentes de vedação de resina que são menos biocompatíveis do que os cimentos, principalmente se não forem completamente polimerizados.

Contudo o controle adequado da umidade é essencial para a cimentação.

Referências bibliográficas
PHILLIPS RW: Materiais dentários, ed 9, Filadélfia,1991.p.491.
ROSENSTIEL. STEPHEN, Prótese fixa contemporânea. 3º ed. Santos.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.