Fase I da Terapia Periodontal

Por Samara Ferreira
Essa é a primeira etapa da sequência dos processos que estabelecem a terapia periodontal e possui diversas denominações como, terapia inicial, terapia relacionada com a causa, terapia periodontal não cirúrgica. Essa fase possui como objetivo modificar ou mesmo eliminar os fatores etiológicos microbianos e os fatores que contribuem para as doenças gengivais periodontal, ou seja, o estabelecimento de um controle eficaz da placa.

O resultado esperado é a interrupção da progressão da doença e o retorno da dentição a um estado de saúde, conforto e função.

O domínio ou mesmo a abolição de fatores locais que colaboram para a doença abrange as seguintes terapias, quando necessárias:

  1. Movimentação ortodôntica.
  2. Retirada total de cálculos
  3. Adaptação de restaurações e próteses mal adaptadas
  4. Tratamento de áreas com impactação alimentar
  5. Reparos de lesões de carie.
  6. Exodontia de dentes totalmente destruídos
  7. Tratamento de trauma oclusal

No planejamento das sessões para a fase I da terapia devem ser avaliados a quantidade de cálculo, condição geral do paciente, alinhamento dentário, envolvimento de furca, anomalias de desenvolvimento, número de dentes presentes, sensibilidade e cooperação do paciente e entre outros.

A sequência dos procedimentos terapêuticos consistem em 7 etapas: Instrução adequada de higiene oral para o controle da placa (realizado na primeira consulta da terapia), retirada de cálculo supragengival (utiliza-se curetas, raspadores), restauração de lesões cariosas (remoção completa das lesões de cárie e obturação das cavidades), alisamento radicular(etapa final para obtenção de superfícies lisas),instrução de higiene oral para controle da placa (uso de fio dental, escovação adequada, enxaguante bucal), recontorno de restaurações e próteses defeituosas (substituição de restaurações e próteses ou somente acabamento) e reavaliação dos tecidos periodontais ( após a fase I da terapia). Ressaltando que a reavaliação periodontal de um caso clínico deveria ocorrer quatro semanas após o término dos procedimentos de raspagem e alisamento radicular.

É importante proceder a uma analise particularizada da doença de cada paciente e seus fatores coletados para se definir uma terapia personalizada, pois cada paciente é único e o procedimento sobre as decisões terapêuticas é bastante complexo. Os procedimentos comuns de toda a fase I da terapia compreendem controle da placa e da cárie, além de raspagem e alisamento radiculares para a remoção de biofilme e cálculo supra e subgengivais.

Com o presente caso, evidencia-se a importância do acompanhamento durante a fase I da terapia periodontal, pois envolve procedimentos complexos e individualizados, onde o tratamento dos problemas periodontais está nas mãos do cirurgião- dentista.

Leia também:

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CARRANZA,  F.  A.;  NEWMAN,  M.  G.;  TAKEI,  H.  H.  Periodontia  clínica.  Rio  deJaneiro: Ed. Guanabara Koogan, 2004. P.724-727..
DE DEUS, Q.D. Problemas endodônticos e periodônticos de interesse comum.  De Deus Q D Endodontia, Rio de Janeiro, 1992. p. 615-627.
LINDHE, J. Tratado de periodontia clínica e implantodontia oral. Rio de Janeiro:Ed. Guanabara Koogan, 1999.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.