Bagre

Por Fernando Rebouças
Bagre
Bagre
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Osteichthyes
Superordem: Ostariophysi
Ordem: Siluriformes

Todas as espécies de peixes da ordem Siluriformes são designados como “bagre”, principalmente na região da América do Sul. Nas regiões de cultura norte-americana e de demais países anglo-saxões o termo utilizado para esta espécie é “catfish”, em português “peixe-gato”.

O termo peixe-gato é utilizado em referência aos “bigodinhos” similares ao de um felino, presente em suas mandíbulas para uso sensorial da espécie. São quase 40 famílias desta espécie. As espécies de Siluriforme incidem em várias regiões do mundo, mais da metade das espécies conhecidas são nativas da América do Sul.

As espécies se alimentam de outros peixes, reconhecidas como predadoras, também se alimentam de artrópodes e vermes. Ao engolir algum alimento, se expande para facilitar a entrada da presa em sua cavidade.

A espécie “Pangasiodon gigas” é uma das maiores já encontradas em água doce. Entre as famílias de bagre, apenas duas famílias, Ariidae e Plotosidae, possuem espécies marinhas.

O bigode de um bagre é composto por ferrões. A região dorsal de seu corpo é extremamente perigosa e serve como defesa contra qualquer predador que se aproxime dele. Não é  recomendado a um pescador que se pegue esse peixe com a mão sem proteção, pois seu dorso pode causar ferimentos.

Possuem também aguilhões perigosos utilizados para a sua defesa. Algumas espécies os possuem nas nadadeiras peitorais, bem afastadas, e uma ereta, sobre a dorsal, como descrito no parágrafo anterior, formando um triângulo defensivo.

Além dos aguilhões, possuem substâncias nas nadadeiras dorsal e peitoral cobertos por um muco cáustico, que causa dolorosas feridas a quem não os souber segurá-los. Os menores peixes possuem as substâncias mais dolosas.

Dentre as espécies que incidem no Brasil, destacamos o “bagre-amarelo”, que vive em toda costa do brasileira. Peixe de água salgada é a única espécie do sudeste do Brasil com dentes palatinos granulares grandes, arredondados e aproximadamente molariformes.

Possui  coloração no dorso azul-prateada e o abdômen amarelo. Pode atingir aproximadamente 800 g de peso e o tamanho de 25 a 30 cm. O tamanho mínimo para abate pe de 12 cm; seu formato mais vulgar dos bagres, que é subfusiforme. O corpo é alongado, não possui escamas e é comprimido e achatado na parte inferior.

A nadadeira dorsal é pequena e suportada por um espinho grande e serrilhado com sete raios moles. A nadadeira peitoral é moderada, apresenta acúleo fortemente denticulado, e a adiposa é pequena, com a extremidade orlada a negro, enquanto que as outras são esbranquiçadas. A caudal é desenvolvida, com grande dimensão e bifurcada.

A barbatana anal é composta por 22 a 28 raios. A fêmeas têm barbatanas ventrais maiores que as dos machos.

O bagre-amarelo é muito comum no Oceano Atlântico. Encontrado em praias, estuários, manguezais e foz de rios. Desova em água doce, e não são encontrados em águas profundas. Nadam sempre em grupo.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Bagre
http://pesca-cia.uol.com.br/peixes-do-brasil/agua-salgada.aspx?c=279
http://www.bicodocorvo.com.br/animais/peixes/bagre